Blocos abrem o Carnaval

Dezessete saíram às ruas. No desfile do Imprensa Que Eu Gamo, teve até um casamento

Por thiago.antunes

Rio - Fantasias, confetes e serpentinas coloriram ruas do Rio neste sábado, quando 17 blocos saíram pela cidade. Com nomes irreverentes, desfilaram grupos tradicionais, como o Desliga da Justiça e o Imprensa Que Eu Gamo, no qual teve até casamento de verdade. Completando 50 carnavais, ao lado de Paulinho da Viola, a Banda de Ipanema arrastou 80 mil pessoas pela orla do bairro que carrega no nome.

Neste domingo, a festa continua, a partir das 10h, quando o Vira-Lata e o Sangue Bom dão o pontapé inicial, em São Conrado e Copacabana,respectivamente. Depois, outros 12 vão fazer a alegria dos foliões no domingo.

Na cinquentona Banda de Ipanema%2C diversidade e irreverênciaJoão Laet / Agência O Dia

“O Carnaval é como se fosse nossa religião. Então, pensamos: por que não casar no bloco?”, conta o militar Bruno Nalbone, que subiu ao altar com a jornalista e porta-bandeira do Imprensa Aline Prado, ao som da bateria do bloco, em Laranjeiras.

No cortejo, que reuniu sete mil pessoas, houve homenagem ao cinegrafista Santiago Andrade, atingido por um rojão no dia 6 durante manifestação contra o aumento de passagens. Uma faixa foi estampada com uma frase do Mahatma Gandhi: “Não existe um caminho para a paz. A paz é o caminho”. Foi feito um minuto de silêncio.

A Praça Santos Dumont, na Gávea, foi ponto de encontro de super-heróis, com o Desliga da Justiça. Personagens como Capitão América, Hulk e Mulher Maravilha caíram na folia junto a duas mil pessoas. “O bloco foi criado para que todos pudessem ser heróis, mesmo por apenas um dia”, disse o presidente do Desliga, Rodrigo Bello, de 37 anos, vestido de Zorro.

>>>GALERIA: Casamento anima o Imprensa que eu Gamo

Alegria à parte, os altos preços cariocas também estiveram presentes nos blocos, desagradando a quem desfilava. Para dribá-los, muitos inovaram e levaram de casa a lata de cerveja, vendida por R$ 5 pelos ambulantes.

Para um grupo de dez amigos, a solução foi levar uma pequena piscina de plástico para a praça da Gávea. Nela, juntaram gelo a bebidas alcoólicas. “No mercado, cada latinha saiu por R$ 2 e, nos blocos, o custo é mais que o dobro. É surreal”, lembrou o profissional em tecnologia de informação Rodrigo Marrocos, de 25 anos.

Paulinho da Viola comemora os 50 anos da Banda de IpanemaJoão Laet / Agência O Dia

Os mijões também não passaram despercebidos e 11 foram detidos e multadas em R$ 157. Também foram multadas 50 pessoas flagradas jogando lixo no chão. De resto, só paz e amor, como gritavam os fantasiados de hippies.

Na Banda de Ipanema, a palavra de ordem era diversidade, segundo o fundador José Ruy Dutra, de 81 anos. “Somos libertários”, pregava ele, enquanto drag queens caprichavam na performance. Até março, 457 blocos vão desfilar no Rio. São 35 a menos do que em 2013, segundo o Diário Oficial do Município do dia 28 de janeiro.

Escolha os blocos deste domingo e caia na folia desde já
10h - Vira-Lata (São Conrado)
10h - Sangue Bom (Copa)
10h - Bloco Me Esquece (Jardim Botânico)
12h - Calma, Calma, Sua Piranha (Botafogo)
13h - Urubuzada (Tijuca)
15h - Tamborim Sensação (Saúde)
15h- Bom Sujeito (Barra)
15h- Banda da Praia da Bica (Jardim Guanabara - Ilha)
16h - Blocão (Copacabana)
16h - Se Cair, Eu Como
(Freguesia)
16h - Vai Tomar no Grajaú
16h - Simpatia é Quase Amor e Barbas (Copacabana)
17h - Ai Se Eu Te Pego (Irajá)
17h - Oba Oba (Recreio)

Portela leva Rio Branco à Sapucaí

Em clima de bastante otimismo, a Portela fez neste sábado o seu ensaio técnico no Sambódromo dando um gostinho do que promete levar para a Avenida neste Carnaval. Sob nova direção, a Azul e Branco de Madureira e Oswaldo Cruz vai contar a história da Avenida Rio Branco.

Segurando bandeiras e bolas de gás distribuídas pela escola, componentes das alas de comunidade e o público lotaram as arquibancadas e cantaram o samba a plenos pulmões. Num momento especial, a rainha de bateria, Patrícia Nery, se emocionou ao pisar na Sapucaí. Há cinco meses ela teve um bebê.

Rainha%2C Patrícia Nery se emocionou à frente da bateria da Azul e Branco no ensaio técnicoJoão Laet / Agência O Dia

“É sempre uma alegria, principalmente defendendo a Portela”, diz a musa, que já voltou ao corpo de antes da gravidez. Presidente de Honra da Portela, Monarco festejou o novo ambiente na agremiação. “Depois de muito tempo, não há tensão entre os componentes, mas uma confiança muito grande”, ressaltou.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia