Festa da Unidos da Tijuca na Zona Portuária desagrada o Borel

Parte da comunidade reclama que a campeã deveria privilegiar o local de origem da escola

Por thiago.antunes

Rio - A festa animou a madrugada dos integrantes da Unidos da Tijuca, que comemoraram desde a finalização da apuração das notas do desfile na Quarta-Feira de Cinzas. Mas, entre os moradores do Morro do Borel que vestiam a camisa da escola nesta quinta-feira, havia uma certa tristeza em relação à festa da vitória. Eles relataram que nem a taça, bateria e outros membros da escola compareceram à sede da Rua São Miguel, na comunidade. Além disso, criticaram a falta de reparos no local. Desde 1992, a escola funciona em uma nova quadra, no Santo Cristo, na Zona Portuária.

Horta explicou que a festa foi realizada na nova quadra porque o local é maior do que a estrutura do Borel. “A antiga sede não suporta a quantidade de pessoas que comparecem à comemoração. Além disso, desde 1992, que a quadra não é mais lá. Agora, o local só funciona como centro de cidadania, que atende à comunidade, com consultório dentário, por exemplo”, disse.

Moradores reclamam que antiga quadra no Borel%2C onde funciona Centro Comunitário%2C está abandonadaConstança Rezende / Agência O Dia

Mas a explicação não foi suficiente para convencer alguns moradores do Borel, como o pedreiro Diego Marques, de 22 anos. Para ele, a comunidade onde se originou a agremiação teria sido abandonada pela escola. “Antes, botavam até telão para a gente acompanhar a votação do desfile. Nesta quinta, aproximadamente 300 moradores comemoraram aqui sem nem água. Podiam, pelo menos, ter trazido a taça, mas privilegiam o asfalto”, disse, referindo-se à nova quadra.

Para o artesão Luiz Antonio da Silva, de 54 anos, o sentimento é de desprezo. “É verdade que a escola está grande hoje devido ao presidente, Fernando Horta. Mas ele também sabe que aqui é a raiz do samba. Queríamos que o Horta desse mais atenção à comunidade”, pediu.

Morro da Formiga chora a derrota

No Morro da Formiga, o clima também era de revolta nesta quinta, mas com o resultado que rebaixou novamente o Império da Tijuca. Eles criticaram principalmente o fato de a escola ter ficado atrás da Vila Isabel, que desfilou com alas incompletas e sem fantasia. “Foi roubado, o Império não merecia. Foi o desfile mais bonito da escola”, disse o mototaxista Marcus Vinicius Santos, de 22 anos.

Já a dona de casa Sandra Santos, 45, ressaltou a animação do público. “O Império foi impecável. Levantou a arquibancada, ao contrário de muitas outras escolas. Mas há um preconceito contra escola que veio do Grupo de Acesso. Os jurados deviam estar em casa se arrumando quando ela desfilou”, disse.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia