Bruno Gagliasso foi demitido da Globo por 'mau comportamento'

Galã não teria se comprometido com o papel em 'O Sétimo Guardião'

Por O Dia

Bruno Gagliasso como Gabriel em 'O Sétimo Guardião'
Bruno Gagliasso como Gabriel em 'O Sétimo Guardião' -
Rio - Bruno Gagliasso foi demitido da Globo em novembro do ano passado, mas diferentemente do que foi dito na época, a rescisão de contrato não foi em "comum acordo". De acordo com o colunista Daniel Castro, do "Notícias da TV", a decisão de romper o contrato partiu da Globo e o principal motivo foi o "mau comportamento" do ator durante a novela "O Sétimo Guardião". 
De acordo com fontes do colunista, Bruno não "abraçou" seu papel na novela "O Sétimo Guardião". Ele teria se dedicado menos do que o que se espera de um protagonista. Bruno também curtiu postagens nas redes sociais em que os telespectadores criticavam a história, o que foi considerado falta de profissionalismo. 
Além disso, o último papel de sucesso de Gagliasso foi na série "Dupla Identidade", de 2014. Depois disse ele atuou em "Babilônia", "Sol Nascente" e "O Sétimo Guardião", mas não se destacou em nenhuma delas. A emissora teria entendido que ele não desejava mais fazer novelas e que isso estaria atrapalhando seu desempenho. 
O galã, que tinha um dos maiores salários da dramaturgia da Globo, teve seu destino traçado logo após o fim de "O Sétimo Guardião". Foi decidido que seu salário não seria renovado. A decisão estaria em sintonia com a nova política da emissora de não manter profissionais que ganham muito e trabalham pouco.
Por outro lado, o ator que também estava insatisfeito não se esforçou para manter o vínculo com a emissora. Meses antes do fim do contrato, já teria acertado trabalhos com a Netflix. 
Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia

Comentários