Marcelo Rezende vence processo três anos após sua morte - Reprodução
Marcelo Rezende vence processo três anos após sua morteReprodução
Por iG

São Paulo - O jornalista Marcelo Rezende, que morreu em 2017, ficou conhecido por dar opiniões polêmicas ao vivo nos jornais em que apresentava e isso rendeu a ele alguns processos. Três anos após sua morte, o antigo apresentador do “Cidade Alerta” venceu uma ação que custaria R$ 300 mil por danos morais.

Galeria de Fotos

Marcelo Rezende Reprodução Internet
Marcelo Rezende Reprodução Internet
Marcelo Rezende Reprodução Internet
Marcelo Rezende vence processo três anos após sua morte Reprodução
Marcelo Rezende posa com a neta e o filho, Diego Esteves Reprodução Internet
marcelo rezende reprodução

O processo contra Marcelo Rezende e também o jornalista Percival de Souza e a Record TV foi movido por Antonio Carlos Santos, que apareceu em junho de 2015 no “Cidade Alerta” em uma reportagem intitulada “pai maníaco: as visitas do terror”. A matéria falava que o homem em questão estava sendo investigado após suspeita de que ele estaria abusando dos filhos. Cerca de 40 dias depois da exibição do caso, Antonio foi absolvido pela Justiça.

O pai entrou com um processo alegando que sua imagem dele foi prejudicada pelo jornal exibido na Record e pediu uma indenização de R$ 300 mil, além da retirada do vídeo com a reportagem das plataformas digitais. De acordo com o Notícias da TV, a defesa da emissora e dos jornalistas rebateram dizendo que “estão no exercício regular de seu direito e dever de prestar informações” e deixou claro que o assunto foi tratado antes do pai ser inocentado.

Com essa defesa, o juiz Fernando José Cúnico, da 12ª Vara Cível de São Paulo, entendeu que a ação era improcedente. “Vale observar que a matéria destinou-se a relatar a acusação, a investigação, que de fato houve. De fato, no caso em questão, a divulgação teve por fim assegurar o direito de informação”, pontou o magistrado no processo divulgado pelo Notícias da TV. Antonio perdeu em primeira instância, mas protocolou um novo pedido e aguarda outro julgamento.

Você pode gostar