Quarentena pode aumentar casos de acidentes domésticos em crianças

Confira dicas simples para evitar as idas ao hospital

Por O Dia

Para evitar acidentes domésticos é preciso estar sempre atenta e tomar alguns cuidados básicos
Para evitar acidentes domésticos é preciso estar sempre atenta e tomar alguns cuidados básicos -
Um descuido perto do fogão é a ocasião perfeita para causar queimaduras. Uma brincadeira de correr pode terminar em quedas e fraturas. Objetos pequenos podem ser ingeridos em um piscar de olhos. Quem tem criança em casa, sabe que a atenção deve ser redobrada a todo segundo. De acordo com o Ministério da Saúde, entre os pequenos, os acidentes domésticos correspondem a cerca de cinco mil mortes por ano e 110 mil casos de hospitalização. Além disso, durante o período de maior estada em casa, nas épocas de recesso escolar, por exemplo, os casos cresceram cerca de 25%, segundo estudo da Sociedade Brasileira de Pediatria.

-As principais vítimas são sempre as mais vulneráveis. Os acidentes domésticos, inclusive, são as principais causas de morte de crianças de 1 a 9 ano - pontua o cirurgião plástico Luiz Victor Carneiro Jr, que teve um aumento considerável na procura por sutura de pequenos e médios cortes durante a quarentena. O alerta maior continua sendo em relação às quedas. Ainda segundo o Ministério da Saúde, elas representam o maior volume dos atendimentos médicos realizados em unidades de saúde em todo o país, somando mais de 38% de casos.

-De maneira geral, os acidentes variam de acordo com a idade e o tipo de ambiente (cozinha, varanda, sala…)” - afirma o ortopedista Ricon Jr. Crianças pequenas, de 2 a 7 anos, têm uma motricidade menor, o que compromete o reflexo na hora de cair. - As lesões traumatológicas mais recorrentes devido às quedas acometem os membros superiores, com lesões/fraturas nos punhos, antebraço e cotovelo. Fraturas nas clavículas também são comuns quando o corpo é jogado para frente- salienta. Segundo o especialista, quedas de alturas maiores (de 2 a 3 metros) afetam mais a parte inferior do corpo, com risco da quebra do fêmur e/ou da perna.

Pelo menos 90% dos casos de acidentes domésticos podem ser evitados. Os cuidados começam na escolha dos móveis da casa, onde as camas devem ter altura adequada e os berços precisam de telas de proteção. O uso de grades na entrada das portas da cozinha e do banheiro pode reduzir consideravelmente o número de acidentes, uma vez que a maioria ocorre nesses cômodos. E, lembre-se, jamais deixe os pequenos sem supervisão.

Saiba mais sobre os cuidados:

Com área externa e janelas - É importante estar atento para as condições mínimas de segurança e manter a vigilância enquanto a criança se diverte. Janelas devem ficar travadas com telas de proteção ou grades que não se abram mais do que 15 centímetros. Outra dica é a instalação de portões no topo e na base das escadas;

Na cozinha - Use as bocas de trás do fogão e certifique-se de que os cabos das panelas estejam virados para dentro para não serem alcançados pelas crianças. Mantenha sacos plásticos, fósforos, isqueiros, álcool, objetos de vidro, cerâmica e facas fora do alcance dos pequenos;

Com eletricidade – Verifique se não existem fios desencapados e mantenha-os isolados por meio de canaletas. Tomadas também devem estar devidamente cobertas com tampas apropriadas ou escondidas por móveis, além de evitar uso demasiado de “benjamins” ou extensões, que podem provocar sobrecarga e curto-circuito na fiação. Eletrodomésticos como ventiladores, ferro elétrico, secadores de cabelo também precisam ficar longe do contato;

Com brinquedos – Produtos com peças muito pequenas e os elétricos, com plugues, baterias e pilhas, podem ser facilmente engolidos. Para brinquedos sobre rodas, como patins, patinete e skate, é indispensável o uso de equipamentos de segurança adequados ao tamanho da criança, como capacete e joelheiras.

Comentários