Comércio de Duque de Caxias apresenta queda de 60% no número de público

Justiça suspendeu abertura de lojas na cidade da Baixada Fluminense

Por O Dia

Rio de Janeiro 27/05/2020 - Covid-19 - Decisão liminar da Justiça do Rio de Janeiro suspende os efeitos do decreto municipal que permite o funcionamento do comércio em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense. Foto: Luciano Belford/Agencia O Dia
Rio de Janeiro 27/05/2020 - Covid-19 - Decisão liminar da Justiça do Rio de Janeiro suspende os efeitos do decreto municipal que permite o funcionamento do comércio em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense. Foto: Luciano Belford/Agencia O Dia -
Duque de Caxias - O isolamento social por causa da pandemia do novo coronavírus vem afetando em cheio a economia de estados e municípios. Na cidade da Baixada Fluminense não tem sido diferente. Desde março, quando começaram as medidas de restrições para circulação de pessoas, o comércio no Calçadão de Duque de Caxias registrou uma queda de 60% no número de de público.

A região concentra, ao todo, 250 lojas e recebe gente de diversas cidades da Baixada Fluminense e Grande Rio. Somente no Ela Shopping, um dos principais polos do Calçadão, a média diária de circulação de pessoas caiu de 25 mil para 9 mil (estimativa de quando foi autorizada a reabertura do comércio na última segunda-feira, 25). No local, duas lojas fecharam as portas em definitivo.

“O comércio de Duque de Caxias recebe público de São João de Meriti, Belford Roxo, de bairros do Rio próximos daqui como Penha, Ilha, Pavuna. É uma vocação da cidade. Um comércio rico e variado”, afirma Celso Pariz, superintendente do Ela Shopping, que emprega diretamente cerca de 150 funcionários.

O desemprego também vem assombrando os comerciantes caxienses. Segundo o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), a taxa de desemprego no Brasil no primeiro trimestre do ano registrou o encolhimento recorde de 5,2% de postos de trabalho formal, ou seja, com carteira assinada. São aproximadamente 4 milhões de brasileiros fora da força de trabalho.

Apesar de ainda não ter um dado oficial na cidade, há reclamações de que lojas grandes de departamentos chegaram a demitir metade dos funcionários em Duque de Caxias. Outras suspenderam temporariamente o contrato de trabalho.

“Estamos vivendo um momento muito cruel. Tem muitas famílias que dependem do comércio e tiveram o ganho mensal reduzido a zero”, lamenta um lojista, que preferiu não ser identificado.

STF suspende decreto municipal

A ministra Rosa Weber, do Supremo Tribunal Federal (STF), negou seguimento ao recurso interposto pela Procuradoria Geral do Município (PGM) de Duque de Caxias. Desta forma, o comércio na cidade da Baixada Fluminense deverá continuar fechado. Desde a última segunda-feira, 25, uma batalha judicial vem sendo travada para a reabertura do comércio no município. A Procuradoria Geral do Município entrou com novos recursos contra a decisão da juíza da 3a Vara Cível da Comarca de Duque de Caxias. Um deles foi junto ao Supremo Tribunal Federal.

Comentários