Feirões negociam débitos no Rio

A partir de segunda-feira, a Caixa Econômica Federal, por exemplo, atenderá inadimplentes no Centro do Rio e em Niterói. Até o dia 28, clientes da Light terão oportunidade de zerar débitos em feirão móvel em diferentes bairros da capital

Por *EDDA RIBEIRO

Feirão móvel de negociação da Light
Feirão móvel de negociação da Light -

Rio - Para quitar dívidas e entrar 2019 no azul, há pelo menos quatro oportunidades de negociação direta com credores até o fim de dezembro no estado. A partir de segunda-feira, a Caixa Econômica Federal, por exemplo, atenderá inadimplentes no Centro do Rio e em Niterói. Até o dia 28, clientes da Light terão oportunidade de zerar débitos em feirão móvel em diferentes bairros da capital.

Nesta quinta-feira, das 10h às 16h, quem atrasou o pagamento da conta de luz será atendimento na Ilha do Governador, no Aterro do Cocotá/Praça Manuel Bandeira, próximo à estação das barcas. Clientes poderão parcelar suas dívidas em até 60 vezes, pagando um valor de entrada no ato do acerto. Para isso, basta levar documentação e o código do cliente disponível na conta de energia (número com oito dígitos).

Na mesma oportunidade, o devedor se regulariza nos órgãos de proteção ao crédito. A empresa também atenderá, no mesmo horário, em Bangu, na Paróquia São Sebastião e Santa Cecília (Praça da Fé, 21), entre os dias 18 e 20. Após o Natal, entre 26 e 28 de dezembro, a negociação acontece na Central do Brasil, próximo à estação de trem.

Atendimento em Niterói

Já na Caixa, o Caminhão da Adimplência recebe clientes em Niterói a partir da próxima segunda-feira. A unidade móvel ficará estacionada entre o Shopping Bay Market e o Terminal Rodoviário João Goulart, no horário das 12h às 19h, até dia 20. No Rio, com mesmo horário de funcionamento, a unidade fica no Largo da Carioca, do dia 17 até o dia 21.

A prioridade será para quem tiver dívidas com mais de 360 dias sem pagar. Os descontos variam conforme o tipo de operação, quantidade de dias em atraso e garantias de contratos.

*Estagiária sob supervisão de Max Leone

Comentários

Últimas de Economia