Mais Lidas

Sem taxa de conveniência, ingressos de shows vão ficar mais caros

Empresas de eventos ameaçam aumentar preços com decisão do STJ que tornou cobrança ilegal em venda online

Por O Dia

Sentença da 3.ª Turma do STJ considera que a taxa de conveniência configura "venda casada"
Sentença da 3.ª Turma do STJ considera que a taxa de conveniência configura "venda casada" -

Rio - Os ingressos para shows e outros eventos culturais no país vão ficar mais caros. Com a decisão do Superior Tribunal de Justiça (STJ) que tornou ilegal a cobrança de taxa de conveniência nas vendas online de entradas, as empresas organizadoras ameaçam repassar os custos das operações de comercialização pela internet para todos os consumidores. A Corte julgou favoravelmente pelo fim da cobrança a mais nos preços dos bilhetes em ação contra a Ingresso Rápido.

Além da sentença do STJ que saiu na última segunda-feira relativa à ação contra a Ingresso Rápido, está prevista para a próxima quinta-feira a análise, pela Própria Corte Superior, de outro processo movido pela Associação de Defesa dos Consumidores do Rio Grande do Sul. Desta vez, o alvo é a Time for Fun (T4F), maior companhia de entretenimento do país, que também é dona de uma operação de venda online de ingressos.

De acordo com a Agência Estadão Conteúdo, a sentença relativa à Ingresso Rápido, da 3.ª Turma do STJ, considera que a taxa de conveniência configura "venda casada" - ou seja, obriga o consumidor a comprar dois produtos para ter acesso ao show ou evento de sua preferência. O entendimento é que a decisão poderá abrir um precedente que vai afetar todo o setor.

Para o presidente e fundador da T4F, Fernando Alterio, essa posição da Justiça é equivocada, uma vez que o cliente tem a opção de não pagar a taxa. "O consumidor tem a alternativa de comprar o ingresso sem a taxa de conveniência, fazendo a aquisição nas bilheterias oficiais de cada evento", argumenta o executivo.

Atualmente, a maior parte dos consumidores já faz a compra pela internet, diz uma fonte do setor. Em cidades como Rio e São Paulo, a média de vendas por meios digitais é de 70%, chegando a 90% em eventos específicos. Em cidades menores, a compra direta na bilheteria é mais comum.

A disputa entre as empresas de venda de ingressos e as associações de consumidores ainda está longe de terminar. A sentença que foi proferida na última segunda-feira, por exemplo, ainda permite recurso ao próprio STJ e ao Supremo Tribunal Federal (STF).

O presidente da Ingresso Rápido, Levi Morelli, afirmou que a empresa trabalha para derrubar a decisão. O recurso será impetrado assim que o acórdão da sentença for publicado, diz o executivo.

Segundo a Associação Brasileira das Empresas de Vendas de Ingressos (Abrevin), o segmento movimenta R$ 10 bilhões por ano, quando considerados os preços cheios cobrados para entradas de shows e eventos de todos os segmentos. O chamado setor de "ticketing" é pulverizado: hoje, 350 companhias se dedicam ao setor.

De acordo com Maurício Aires, presidente da entidade, o eventual fim da taxa de conveniência poderá ser a "sentença de morte" de muitos desses negócios: cerca de 80% do faturamento das empresas do ramo se concentra na taxa de conveniência. O percentual cobrado pela venda online varia conforme o evento, mas costuma ser de 15% a 20%.

Para Alterio, da T4F, a mudança poderá fazer várias revendedoras de ingresso quebrarem. Além disso, shows que hoje estão sendo realizados poderão ser inviabilizados. Assim, diz ele, a cadeia produtiva de eventos seria afetada, acarretando o fechamento de milhares de vagas de empregos.

 

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia

Comentários