Caos na pocilga

Por DINHEIRO RURAL

No horóscopo chinês, 2019 é o ano do porco. Há quem aposte que esse período, iniciado em 5 de fevereiro e que vai até 24 de janeiro de 2020, seja repleto de boas energias, prosperidade e soluções imediatas de problemas. Por outro lado, exotéricos menos otimistas preveem mudanças drásticas, motivadas por um processo de descontrole. Certamente, essa segunda versão tem mais a ver a com a atual situação do próprio animal retratado no zodíaco chinês. Desde a identificação de um foco da peste suína africana, na China, em agosto do ano passado, o quadro sanitário do suíno mudou drasticamente. Isso deve levar a uma mudança radical no hábito alimentar dos chineses daqui para a frente. “A doença vem se alastrando rapidamente naquele país”, afirma o advogado Ricardo Santin, vice-presidente e diretor de mercados da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA), que representa os setores de produção de aves e suínos. “A China corre o grande risco de perder até 35% de toda a sua produção. O evento é uma disrupção no mercado global de carnes”, analisa Santin.

“A doença vem se alastrando rapidamente em toda a China” Ricardo Santin, vice-presidente da Associação Brasileira de Proteína Animal (Crédito:Divulgação)

A doença, transmitida por um vírus letal somente aos suínos, causa a morte do animal em até duas semanas. Além disso, a transmissão é facilmente concretizada. A peste passa de um animal a outro pelo ar, água e objetos contaminados. “Se um chinês pisar numa área contaminada, poderá propagar a doença se tiver contato com outros suínos”, destaca Santin. A única forma de controle é o abate do rebanho vítima do mal. A doença afeta especialmente a produção familiar chinesa, de criações que vão de 1 a 500 animais, e que responde por 20% da produção de suínos no país. Até o final deste ano, o gigante asiático e segunda maior economia do planeta – atrás apenas dos EUA – deve abater 200 milhões de porcos. “Esse estilo de produção faz parte da tradição chinesa e põe em xeque o maior criador de suínos do mundo”, diz Santin.

No ano passado, a China produziu 54 milhões de toneladas, 48% do total mundial. Para saciar sua fome, o país ainda importou mais 1,6 milhão de toneladas, segundo o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (Usda, na sigla em inglês). Para este ano, o órgão americano prevê que a China reduza sua produção para 48,5 milhões de toneladas, 10,3% a menos ante o ano passado. Já as importações podem alcançar 2,2 milhões, 41% a mais do que em 2018. Há previsões mais drásticas, como o do banco holandês Rabobank, que lançou um relatório no início de abril, indicando a queda da produção chinesa de suínos para 35 milhões de toneladas, o que levaria a uma redução de 35%.

Quando o assunto é um titã como a China, as perspectivas não são muito boas para o mercado, porque desregula o comércio mundial de carne como um todo. A produção global de carne suína é de 113 milhões de toneladas, sendo que 8% são de exportações. “Isso significa que a carne tem um forte apelo para o abastecimento interno”, diz Santin. “Estima-se que os grandes produtores dessa carne, como os europeus, os americanos e os brasileiros, foquem primeiro no atendimento ao mercado interno.” Com um rebanho de 38,4 milhões de animais, o Brasil é o quarto maior produtor de carne suína do mundo. Este ano, o País deve produzir 4 milhões de toneladas e exportar 900 mil, segundo o Usda. Os ajustes devem ser pontuais, mas não devem atender à demanda chinesa.

DESCONTROLE Ainda é nebuloso o procedimento de combate à peste suína pelos chineses, já que não há relatos de reestruturação do modelo familiar de produção. No final de janeiro, na sede do governo, em Pequim, o vice-ministro de Agricultura, Yu Kangzhen, se reuniu com a veterinária Monique Eloit, diretora geral da Organização Mundial da Saúde Animal (OIE, na sigla em francês). No encontro, o governo falava em controle do surto da doença e do abate de animais infectados. De lá para cá, os surtos aumentaram, se estendendo ainda mais pelo país. Hoje, a doença aflige outros 11 países, entre eles, Hungria, Rússia, Ucrânia e Vietnam. “Há previsões de que a China só poderia voltar ao normal dentro de 10 anos”, diz Santin. “Mas eu acredito na reversão desse quadro em até cinco anos”.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia

Comentários