Secretário diz que 7 milhões de empregos foram preservados com medidas trabalhistas

Secretário de Política Econômica do Ministério da Economia comentou impactos do coronavírus no país

Por ESTADÃO CONTEÚDO

Dados oficiais ainda mostram aumento nos pedidos de seguro-desemprego
Dados oficiais ainda mostram aumento nos pedidos de seguro-desemprego -
São Paulo - O secretário de Política Econômica do Ministério da Economia, Adolfo Sachsida, atualizou nesta segunda-feira, o número de pessoas atingidas pelas medidas trabalhistas criadas pelo governo para preservar empregos durante a crise econômica causada pela pandemia do novo coronavírus. Segundo ele, já são 7 milhões de empregos preservados.

Sachsida, contudo, reiterou que a área do crédito é a única na qual o governo precisa melhorar, de todas as frentes econômicas durante o combate à pandemia do novo coronavírus.

Ele espera que a situação avance com o início do Programa Nacional de Apoio às Microempresas e Empresas de Pequena Porte (Pronampe), previsto para começar nesta semana.

Auxílio emergencial

O secretário de Política Econômica do Ministério da Economia reiterou que o auxílio emergencial criado durante a pandemia do novo coronavírus foi desenhado para durar no máximo três ou quatro meses. "Depois de três meses, esse programa tem de ser abandonado", disse o secretário, em live organizada pela Nova Futura Investimentos.

Segundo Sachsida, após esse período, será o momento de o País "parar de transferir dinheiro do pobre para o rico".

O secretário acredita que será necessário fortalecer os programas sociais que já existem. "Vamos remanejar o dinheiro dentro do orçamento, tirando daqueles que não são eficientes e transferindo para os que são eficientes."

Comentários