Link malicioso rouba dados pessoais de quem acessar - Divulgação
Link malicioso rouba dados pessoais de quem acessarDivulgação
Por Letícia Moura*
Uma nova modalidade de golpe pelo WhatsApp mira as crianças e os pais. Conforme identificou o dfndr lab, laboratório especializado em segurança digital da PSafe, a fraude promete a distribuição de almanaques da Turma da Mônica. Os golpistas utilizam irregularmente o nome do Instituto Maurício de Sousa para enganar as pessoas com uma suposta promoção dos almanaques. A página fraudulenta tenta se passar por um site da marca. Ainda segundo o dfndr lab, o golpe circula desde o dia 23 de junho e até a última sexta-feira, os cibercriminosos fizeram mais de 20 mil vítimas no estado do Rio e mais de 164 mil em todo país. Eles capturam dados pessoais e a vítima também fica vulnerável a outros golpes.

Em meio à pandemia de covid-19, período em que algumas crianças estão tendo aulas remotas, a falsa promoção promete um almanaque da Turma da Mônica, edição Estude em Casa. Para receber o suposto "brinde", o interessado precisaria cadastrar os seus dados pessoais e depois compartilhar o link malicioso com seus contatos do WhatsApp. 

“Os golpistas se aproveitam do momento de quarentena para atrair vítimas com mais este golpe. Eles sabem que os pais e as crianças estão em casa e criam uma mecânica fácil para conseguir mais dados pessoais no golpe. O modelo da ameaça utilizado é o “cadastre e ganhe”, visto também em outros golpes recentemente”, esclarece o diretor do dfndr lab, Emilio Simoni.

“Os dados pessoais fornecidos na página falsa podem ser vendidos, ou até mesmo usados para assinar serviços pagos que trarão prejuízo financeiro à vítima. Fora isso, caso a pessoa dê permissão à falsa página para o recebimento de notificações, o cibercriminoso conseguiria ainda enviar outras promoções falsas como essa diretamente a ela”, complementa Simoni.

Em sua conta do Instagram, o Instituto Mauricio de Souza informou que “não tem nenhuma relação com a postagem fake que circula na internet e aplicativos de mensagens, como o WhatsApp, informando sobre suposta distribuição gratuita de almanaque com atividades de estudo em casa. O instituto alerta para que não se repasse esse tipo de conteúdo falso adiante”, publicou. 

Golpe do auxílio emergencial
Os golpistas não brincam em serviço e também usaram o auxílio emergencial para fisgar vítimas. Logo após o anuncio do governo federal sobre o benefício, em março, um golpe ganhou proporção e usufruiu do crítico momento financeiro. O objetivo desta fraude é o roubo de informações pessoais e dados bancários das vítimas. Dentre os golpes que circulam durante o período da pandemia, foi o que chegou a ter mais acessos e compartilhamentos, atingindo mais de 13 milhões de pessoas em todo o país, de acordo com o dfndr lab. O estado do Rio foi o segundo estado mais afetado, com 1,6 milhões de detecções, ficando atrás somente de São Paulo que teve 2,4 milhões de detecções.

Dicas de como se proteger
A primeira dica para se proteger de fraudes é ter cuidado ao clicar em links no WhatsApp ou em outras redes sociais. De preferência, verifique as informações nos sites oficiais das empresas, e desconfie de promoções, brindes e descontos. Nunca compartilhe dados pessoais em sites dos quais não conhece a procedência.

Outra orientação é ativar a autenticação em duas etapas, disponível no próprio WhatsApp. Caso suspeite do link, uma alternativa gratuita é acessar (www.psafe.com/dfndr-lab/ pt-br) para constatar a veracidade. É preciso copiar e colar o link na caixa central do site em questão.
*Estagiária sob supervisão de Bete Nogueira