Por Bernardo Costa

Rio - A transformação digital nas empresas, que atinge todos os setores, abriu campo de trabalho para profissionais de tecnologia. De tal forma que a demanda não consegue ser acompanhada pelo nível de capacitação exigido para os novos desafios do mercado. A consultoria IDC estima que um total de 160 mil vagas de emprego nas áreas de tecnologia da informação e telecomunicações não serão preenchidas por falta de mão de obra qualificada neste ano.

Dentre as novas categorias de profissionais que teriam chances garantidas estão o chamado cientista de dados, técnico em redes para conexão de computadores, especialista em computação em nuvem e engenheiro de software&computação.

Nas empresas, ao saber manipular grande base de dados, dentro e fora da companhia, o cientista de dados é capaz de resolver desafios de negócios. Grupos de praticamente todos os setores estão formando seus times. "São especialistas em ferramentas, como Analytics, preparados para definir que informações buscar e como obtê-las para ajudar a definir as estratégias mais adequadas de ação", diz Pietro Delai, gerente de consultoria e pesquisa da IDC Brasil.

Para especialistas em computação em nuvem, ambientes virtuais em que softwares processam milhares de dados em tempo real, as chances irão crescer cerca de 40% ao ano até 2022, segundo a consultoria IDC. "São tipos de serviços que crescem muito e que são de utilização pública, como aplicativos que calculam o melhor trajeto a ser percorrido. Ou quanto tempo levará para chegar o táxi que foi solicitado pelo celular", explica Delai.

As empresas procuram

 

A startup BiPTT, aplicativo que transforma smartphones em rádios PTT para comunicação corporativa, é uma das empresas que se enquadram no cenário de vagas ociosas traçado pela consultoria IDC. Segundo Edgar Crespo, CEO da BiPTT, a empresa vem encontrando dificuldades para contratar profissionais das áreas de desenvolvimento e análise de dados. "Temos buscado em universidades, postado as oportunidades em diferentes meios e ainda não conseguimos fechar um time", lamenta Crespo. Os currículos podem ser enviados para [email protected]

Na Tata Consultancy Services (TCS), que orienta empresas em processos de transformação digital, também há chances. A multinacional, que tem escritório no Rio, estima contratar 500 profissionais até junho. As vagas são para candidatos capacitados em infraestrutura de TI, nos cargos de L1 Support (Analista de Suporte), BPO (Business Process Outsourcing) e Networking.

"O analista de suporte de 1º nível atenderá chamados de suporte técnico nível I e nível II, enquanto o analista de BPO dará suporte nos processos e o analista de redes trabalhará com redes LAN e WAN, configuração de servidores, roteadores cisco, switches, entre outras funções", explica Tushar Parikh, CEO da TCS Brasil. Inscrições pelo site ibegin.tcs.com/iBegin/register.

A alta demanda por profissionais de tecnologia também pode ser verificada em levantamento do site Revelo, plataforma de recrutamento de profissionais de TI para empresas. Em 2018, houve aumento de procura por especialistas em Marketing de Conteúdo (36%), Design de Interface de Usuário (33%) e Marketing Digital (21%).

Qualificação

Para Pietro Delai, os interessados nas chances em tecnologia precisam buscar qualificação em cursos específicos: "O que o aluno aprende hoje nos primeiros períodos da faculdade de tecnologia vai estar defasado quando ele se formar. A necessidade de atualização nessa área é constante".

Você pode gostar
Comentários