Micro e pequenas empresas apontam aumento de faturamento

Em pesquisa do Sebrae, empreendedores demonstram intenção de investir e contratar nos próximos 12 meses

Por Bernardo Costa

14/11/2018 - AGÊNCIA DE NOTICIAS - PARCEIRO - Movimentação para as compras de natal no Mercadão de Madureira, Zona Norte do Rio de Janeiro, nesta quarta-feira(14). Foto: Paulo Carneiro/Parceiro/Agência O Dia
14/11/2018 - AGÊNCIA DE NOTICIAS - PARCEIRO - Movimentação para as compras de natal no Mercadão de Madureira, Zona Norte do Rio de Janeiro, nesta quarta-feira(14). Foto: Paulo Carneiro/Parceiro/Agência O Dia -
Principal termômetro das intenções de compra do consumidor, as micro e pequenas empresas do país demonstraram o maior índice de otimismo, neste ano, na 'Sondagem Conjuntural' do Sebrae. Realizada a cada três meses, a pesquisa mensura as intenções de investimento no próprio negócio e a expectativa de faturamento e de contratações para os próximos 12 meses. Ao todo, foram entrevistados 2.992 empreendedores, entre 11 e 18 de setembro. O estudo apontou que 62% projetam lucrar mais, 58% pretendem investir e 35%, contratar. Em relação à intenção de admissão de funcionários, o número é o maior desde o início da série histórica, em março de 2017.
Segundo Renato Regazzi, gerente do Sebrae, a expectativa das micro e pequenas empresas é o principal sensor para avaliar o poder de compra dos consumidores.
"Se os proprietários dessas empresas estão otimistas, é sinal de que estão vendendo mais. A relação dessas empresas com os clientes finais é direta, no próprio balcão de loja", explica Regazzi.
O empreendedor Valcir de Carvalho Domingues, de 37 anos, conta que os clientes estão voltando a consumir. Ele é proprietário de duas clínicas de odontologia, em Campo Grande e Madureira, e acaba de inaugurar uma barbearia em Ipanema. Em um mês de funcionamento da Barbarus, que fica na Praça General Osório, o resultado positivo já sinaliza uma oportunidade de expansão.
"Inauguramos a barbearia e, com os bons resultados, já estamos planejando abrir uma filial em janeiro. Em relação às clínicas, em outubro tivemos o melhor resultado em dois anos de funcionamento", diz Valcir.
Tanto nas classes C e D, que atende nas clínicas, quanto na classe A, de Ipanema, Valcir Domingues percebe a confiança retornando na praça. "Sinto que os clientes estão começando a soltar o freio na hora de consumir", aponta Valcir.
Segundo o gerente do Sebrae Renato Regazzi, a intenção de contratação de funcionários, apontada por 35% dos entrevistados, é o maior reflexo de aumento da confiança no mercado.
"Essa taxa é recorde desde o início da pesquisa. A confiança gera um círculo vicioso. As pessoas compram mais e aumentam a necessidade de produção das empresas, que precisam contratar funcionários para dar conta da demanda".
Segundo o Sebrae, as micro e pequenas empresas foram responsáveis pela criação de 90% das vagas com carteira assinada este ano no país: foram 670 mil postos de trabalho, superando todo o saldo verificado em 2018.

Óleo e gás e construção em alta no Rio
A pesquisa 'Sondagem Conjuntural' apontou que, no Estado do Rio, os segmentos que registraram maior projeção de expansão de negócios e empregos nos próximos 12 meses foram os de petróleo e gás e o da construção civil. Na área de energia, a geração de oportunidades está relacionada com o megaleilão das áreas do pré-sal no início do mês.
"As projeções do mercado são de 50 mil vagas de trabalho no Rio nos próximos quatro anos. E as micro e pequenas empresas atuam na cadeia, desde o fornecimento de uniformes a maquinário", diz o gerente do Sebrae Renato Regazzi.
No ramo da construção civil, a projeção otimista está relacionada à provável queda de juros para financiamentos imobiliários.
Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia

Comentários