Mais Lidas

Parceria é o caminho para crescer

Seminário mostra resultados de ação entre governo, Sebrae-RJ e BID. Houve expansão de negócios em Cabo Frio e Santo Antônio de Pádua

Por leandro.eiro

Rio - Um investimento nos últimos quatro anos do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) de US$ 1 milhão, o equivalente a cerca de R$ 3,17 milhões de acordo com a cotação de ontem da moeda norte-americana, ajudou a impulsionar dois polos no estado do Rio: moda praia, em Cabo Frio, e rochas ornamentais, em Santo Antônio de Pádua. A iniciativa faz parte do Arranjo Produtivo Local (APL), numa parceria envolvendo governo estadual do Rio e Sebrae-RJ, para beneficiar o pequeno empresário. Os resultados foram apresentados ontem, num seminário no Windsor Guanabara Hotel.

Com loja em Cabo Frio há 25 anos%2C Cláudia Rosa abriu uma loja virtual em meio à iniciativaDivulgação

Uma das demonstrações, constatada em pesquisa, foi o aumento de 10% no faturamento das empresas e a abertura desses dois novos mercados. Com loja em Cabo Frio há 25 anos, Cláudia Guimarães Rosa participou de três missões internacionais e abriu a loja virtual durante o projeto. “É importante para trocarmos experiências, olhar o que o parceiro está fazendo, e não vê-lo como concorrente”, disse a empresária.

Em Santo Antônio de Pádua, a união dos empresários em torno do APL de rochas ornamentais resultou na melhora da qualidade do produto. De acordo com o presidente do Sindicato de Extração e Aparelhamento de Gnaisses no Noroeste do Estado do Rio de Janeiro (Sindgnaisses), Marco Antonio Pinheiro, agora todas as empresas fazem planejamento de lavra.

As pesquisas compararam a situação das empresas beneficiárias em 2013 e neste ano. Houve crescimento no faturamento, melhoria na exportação, maior utilização de comércio eletrônico e inovação.

O fim da informalidade

“Apesar de serem distintos entre si, os dois APLs, de moda e de rochas, apresentavam características semelhantes, que eram o elevado índice de informalidade e dificuldades de interlocução entre os integrantes do setor”, avalia a subsecretária estadual de Comércio e Serviço, Dulce Ângela Procópio.

Hoje, as duas regiões contam com sistema de gestão dos APLs consolidados e planos de ação em funcionamento. O projeto também está sendo estendido para o APL de moda de Itaperuna, no Noroeste Fluminense.

“O financiamento do BID possibilitou a abertura de novos mercados num momento de crise econômica no país e no estado do Rio. Além disso, mais de 60% das empresas beneficiárias inovaram em processos, produtos e serviços”, afirmou o diretor do Sebrae/RJ Evandro Peçanha.

Em Santo Antônio de Pádua%2C a união dos empresários em torno do APL de rochas ornamentais resultou na melhora do produtoDivulgação

Novidades

O seminário serviu para apresentar os resultados do projeto e trocar de experiências entre os integrantes das duas cadeias produtivas. E teve como pano de fundo o lançamento do sistema Mooola, que vai integrar dados das duas bases de APLs. Estatísticas, referências e resultados do projeto estarão disponíveis no sistema, que será disponibilizado nos sites do Sebrae-RJ e do Governo do Estado.

Além das duas cadeias produtivas, o projeto já foi estendido para outro APL de moda de Itaperuna, Noroeste do estado do Rio. “A ideia é que a metodologia seja aprimorada e replicada não somente em outros APLs no estado do Rio, mas até mesmo levada para outras regiões”, comentou Luciana Botafogo, especialista do Fundo Multisetorial de Investimentos (Fumin), do BID.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia