Ministro garante que as Forças Armadas não vão questionar resultado oficial das eleições

General Joaquim Silva e Luna disse que os militares vão atuar apenas para garantir que a votação transcorra em clima de normalidade

Por ESTADÃO CONTEÚDO

Ministro descartou qualquer questionamento do resultado final da votação
Ministro descartou qualquer questionamento do resultado final da votação -

Rio - O ministro da Defesa, o general Joaquim Silva e Luna, afirmou, nesta sexta-feira, que a participação das Forças Armadas nas eleições 2018 será única e exclusivamente voltada para a garantia de que a votação transcorra em clima de normalidade, conforme assegura a Constituição. Segundo ele, os militares não vão interferir no processo político e não questionarão o resultado da votação, qualquer que venha a ser.

"A Bíblia das Forças Armadas é a Constituição Federal, o Artigo 142 e as Leis Complementares. Fora desse caminho não há trilha, não há caminhada jamais. Não há risco nenhum de as Forças Armadas aceitarem ou deixarem de aceitar aquilo que é legal. Nós temos mais é que garantir as instituições funcionando em condições normais e quando solicitados garantir a lei e a ordem", disse o ministro.

Em seu caput, o Artigo 142 da Carta afirma: "As Forças Armadas, constituídas pela Marinha, pelo Exército e pela Aeronáutica, são instituições nacionais permanentes e regulares, organizadas com base na hierarquia e na disciplina, sob a autoridade suprema do presidente da República, e destinam-se à defesa da pátria, à garantia dos poderes constitucionais e, por iniciativa de qualquer destes, da lei e da ordem."

Mal interpretado

Em entrevista ao Estadão no último dia 9 de setembro, o general Eduardo Villas Bôas, comandante do Exército, levantou a hipótese de o governo eleito ter sua legitimidade questionada. A fala foi interpretada por partidos de oposição como uma ameaça à democracia. Segundo o ministro, no entanto, o general foi mal interpretado.