Troca de acusações marca último debate na TV dos candidatos ao governo do estado

Embate envolveu praticamente todos os presentes no debate da TV Globo, na noite desta terça

Por ESTADÃO CONTEÚDO

Candidatos ao governo do Rio
Candidatos ao governo do Rio -

Rio - Sete dos 12 candidatos ao governo do estado participaram do último debate televisivo, nesta terça-feira. Eduardo Paes (DEM), Indio da Costa (PSD), Marcia Tiburi (PT), Pedro Fernandes (PDT), Romário Faria (Podemos), Tarcísio Motta (Psol) e Wilson Witzel (PSC) se enfrentaram durante duas horas e 40 minutos nos estúdios da TV Globo. Embora esteja bem colocado nas pesquisas de intenção de voto, Anthony Garotinho (PRP) não foi convidado porque sua candidatura foi barrada pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Dividido em quatro blocos, entre perguntas abertas e definidas por sorteio, os candidatos falaram sobre segurança, saúde, corrupção, milícias e políticas para as mulheres. Os ataques e acusações entre vários candidatos marcou o encontro.

A primeira troca de acusações foi entre Witzel e Indio, quando o candidato do PSC, ex-juiz federal, lembrou de suspeitas envolvendo o candidato do PSD, que foi candidato a vice-presidente em 2010, pelo DEM, na chapa com José Serra (PSDB). Indio rebateu dizendo que era "ficha limpa".

Em seguida, Tarcísio lembrou que Indio foi secretário do ex-governador Sergio Cabral (MDB), hoje preso, e do prefeito Marcelo Crivella (PRB). "Você faz parte dessa turma toda", afirmou Motta.

Witzel x Indio x Paes

Wilson Witzel (PSC) - João Miguel Júnior / TV Globo

Logo no início do segundo bloco, as acusações continuaram. Ao fazer uma pergunta a Eduardo Paes, Indio disse que temia pelas sentenças proferidas por Witzel, já que o candidato do PSC acusava sem provas. Ele também listou acusações contra o ex-prefeito carioca. "A gente entende seu desespero", respondeu Paes, numa referência às baixas intenções de voto de Índio.

Por causa da acusação, Witzel conquistou direito de resposta, mesmo não participando das perguntas e réplica e tréplica entre Indio e Paes. "A maioria das minhas sentenças foi confirmada", disse Witzel, destacando que as sentenças como juiz federal foram submetidas ao Tribunal Regional Federal da 2ª Região, órgão que Indio teria ofendido, em sua visão.

Indio x Tiburi

Marcia Tiburi (PT) - João Miguel Júnior / TV Globo

Em um embate com Márcia Tiburi, Indio afirmou que a candidata do PT representa uma "quadrilha" que roubou o país, quando respondia a uma pergunta feita por ela sobre contas públicas. Para ele, o candidato a presidente pelo PT, Fernando Haddad "pertence à quadrilha", que é "comandada da cadeia" pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. "Não tem essa história de 'Lula livre', é 'Lula preso'", afirmou Índio.

Márcia conquistou direito de resposta e disse que o PT é o partido "mais querido" do país. "Lula foi preso de forma injusta", afirmou a petista, para quem Haddad foi "o melhor ministro da Educação" que o país já teve.

Tiburi x Paes

Eduardo Paes (DEM) - João Miguel Júnior / TV Globo

Em resposta a uma pergunta feita por Márcia Tiburi sobre políticas para as mulheres, Eduardo Paes disse que terá pelo menos a metade de seu secretariado ocupado por elas. O candidato do DEM defendeu a participação das mulheres na política, mas foi provocado sobre seu ex-secretário na Prefeitura Pedro Paulo.

Deputado federal pelo MDB e candidato (derrotado) de Paes nas eleições municipais de 2016, Pedro Paulo foi acusado de agressão física contra sua ex-mulher. "Pedro Paulo foi absolvido", afirmou Paes.

O ex-prefeito do Rio lembrou nomes de mulheres que ocuparam cargos em seus dois mandatos na prefeitura, como Eduarda de la Rocque (Fazenda) e Maria Silvia Bastos Marques, executiva que foi presidente da Empresa Olímpica Municipal (EOM) durante a preparação para os Jogos Olímpicos Rio 2016. "Vamos ter pelo menos metade do secretariado ocupado por mulheres", prometeu Paes.

Tarcisio x Paes

Tarcísio Motta (Psol) - João Miguel Júnior / TV Globo

No terceiro bloco do debate, Tarcísio Motta lembrou que Eduardo Paes está na lista de políticos com apelidos da construtora Odebrecht. "Todo mundo sabe que você é o nervosinho da Odebrecht", provocou Motta.

A lembrança veio numa tréplica após pergunta sobre as investigações da Operação Lava Jato em que Paes é citado. Segundo o ex-prefeito, "todo mundo que está na vida publica está sujeito a investigações". "Sou favorável e defensor da Lava Jato, mas compete a quem delatou comprovar", afirmou Paes.

Segundo Motta, um dos delatores da Odebrecht afirmou que o candidato do DEM recebeu recursos em conta bancária no exterior. "As investigações vão comprovar que não pertence a mim nenhuma conta", rebateu Paes, que procurou olhar para o lado positivo do apelido dado pelos executivos da Odebrecht. "É porque eu não dava intimidade, não era sujeito afeito a conversas", afirmou.

Paes x Indio x Romário

Indio da Costa (PSD) - João Miguel Júnior / TV Globo

Em uma rodada de perguntas com Romário, Indio acusou Paes de já ter apoiado as milícias que atuam nas favelas da cidade. O candidato do PSD começou sugerindo que os telespectadores buscassem na internet os termos "Eduardo Paes milícia".

Segundo Indio, é possível encontrar uma entrevista de Paes, quando era candidato ao governo do estado pelo PSDB, em que ele cita as milícias como uma saída para aumentar a segurança.

Em um novo embate, Indio e Romario trocaram acusações em torno de seus patrimônios. O candidato do Podemos foi o primeiro a levantar suspeitas sobre o patrimônio de seu adversário, que teria evoluído de forma suspeita conforme declarações do Imposto de Renda.

Numa sequência de direitos de resposta, Indio rebateu dizendo que tem atividades profissionais, como advogado e empresário, diferentemente de Romário, cujo patrimônio "não se sabe de onde vem nem para onde vai", numa referência a acusações de que o candidato do senador teria feito doações ilegais de bens para parentes.

"Dizer aqui que não sabe da onde vem o meu dinheiro? Está de brincadeira! Joguei futebol profissional desde 18 anos", retrucou Romário, ressaltando que seu "dinheiro sempre foi limpo" e declarado. "Ganhei meu dinheiro literalmente suado", disse o campeão do mundo de 1994.

Direitos de resposta

Pedro Fernandes (PDT) - João Miguel Júnior / TV Globo

Na reta final do debate, houve uma série de direitos de resposta, já nas considerações finais, e Paes aproveitou para ironizar Indio, que estaria "desesperado".

Segundo o candidato do DEM, Indio foi secretário de diferentes governos e partidos, na prefeitura e no estado, como nas gestões de Luiz Paulo Conde (ex-prefeito, pelo PFL, hoje DEM), de César Maia (ex-prefeito pelo DEM), de Sergio Cabral (ex-governador pelo MDB) e dele próprio, na prefeitura.

"Se eu for eleito, me comprometo a não ter o Indio como secretário", disse Paes, sugerindo um "pacto" com os demais candidatos para fazerem o mesmo.

Galeria de Fotos

Candidatos ao governo do Rio João Miguel Júnior / TV Globo
Indio da Costa (PSD) João Miguel Júnior / TV Globo
Tarcísio Motta (Psol) João Miguel Júnior / TV Globo
Pedro Fernandes (PDT) João Miguel Júnior / TV Globo
Marcia Tiburi (PT) João Miguel Júnior / TV Globo
Eduardo Paes (DEM) João Miguel Júnior / TV Globo
Wilson Witzel (PSC) João Miguel Júnior / TV Globo