Caso a pandemia de coronavírus não recue existe a possibilidade de novo adiamento. Medidas de segurança serão tomadas para o pleito - Agência Brasil
Caso a pandemia de coronavírus não recue existe a possibilidade de novo adiamento. Medidas de segurança serão tomadas para o pleitoAgência Brasil
Por O Dia

Rio - A Justiça Eleitoral esclareceu neste domingo, que a mensagem que circula em redes sociais e aplicativos de bate-papo sobre a ausência de processamento de todos os votos na urna eletrônica é falsa. A informação falsa trata principalmente do voto para presidente, como se a urna não estivesse processando o voto.

De acordo com a Justiça, são utilizados diferentes modelos de urnas eletrônicas nas seções eleitorais em Minas Gerais, e a velocidade de processamento e posterior encerramento dos votos, após o eleitor apertar a tecla confirma, é diferente de acordo com o modelo da urna eletrônica.

A urna mais atual — modelo 2015 — processa os votos mais rapidamente que a urna mais antiga — por exemplo, modelo 2008. Para comprovar, foram feitas filmagens na auditoria de votação paralela em duas urnas, uma modelo 2015 e outra modelo 2008, para que o eleitor entenda como se dá o encerramento da votação e tenha a segurança de que todos os seus votos são devidamente registrados pela urna eletrônica.

Ainda, a Justiça Eleitoral informou que um vídeo que circula na internet no qual a urna, supostamente, “auto completa” o voto para presidente também é falso. Os vídeos não mostram o teclado da urna, onde uma pessoa digita o restante do voto. Não existe a possibilidade de a urna auto completar o voto do eleitor, e isso pode ser comprovado pela auditoria de votação paralela.

Você pode gostar