Caso a pandemia de coronavírus não recue existe a possibilidade de novo adiamento. Medidas de segurança serão tomadas para o pleito - Agência Brasil
Caso a pandemia de coronavírus não recue existe a possibilidade de novo adiamento. Medidas de segurança serão tomadas para o pleitoAgência Brasil
Por ESTADÃO CONTEÚDO

Belo Horizonte - A Justiça Eleitoral de Minas Gerais informou na tarde deste domingo que é falso um vídeo em que uma urna eletrônica supostamente se "auto completa" quando a tecla "1" é digitada, mostrando a imagem do candidato do PT, Fernando Haddad. A presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministra Rosa Weber, disse que o Ministério Público Federal e a Polícia Federal foram acionados para investigar o caso.

A publicação compartilhada no Twitter pelo candidato Flavio Bolsonaro (PSL), que disputa uma vaga ao Senado Federal pelo Rio de Janeiro, diz:

"Está acontecendo diante de nossos olhos. Aperta a tecla '1' para presidente e aparece o indicado do presidiário! Quem souber onde aconteceu isso, favor me enviar zona e seção".

Em nota, o Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais informou que o vídeo não é verdadeiro.

"Os vídeos não mostram o teclado da urna, onde uma pessoa digita o restante do voto. Não existe a possibilidade de a urna auto completar o voto do eleitor, e isso pode ser comprovado pela auditoria de votação paralela (disponível no site do TSE)", informa a Justiça Eleitoral.

"A informação que me foi passada é que acabou de chegar ao conhecimento do TSE a ocorrência deste vídeo e Polícia Federal e Ministério Público Federal já estão acionados para que seja constatada a existência dessa urna e que ela seja retirada e auditada, se de fato estiver traduzindo alguma irregularidade. E que seja devidamente explicitado, traduzido, e corrigido", disse Rosa Weber a jornalistas neste domingo.

"Não sei sequer se essa urna existe, não sei sequer se aconteceu, não sei se a imagem corresponde à realidade. Não vou ficar especulando. Se for verificada qualquer irregularidade, vamos atuar com rigor", disse Rosa.

Você pode gostar