"Até minha mulher está com ciúme do Ciro de tanto aceno que faço para ele", diz Haddad

Petista ainda conta com o apoio do pedetista, que ficou em terceiro lugar no primeiro turno e deve chegar da Europa nesta sexta-feira

Por O Dia

Fernando Haddad (PT) espera apoio público de Ciro Gomes (PDT) à sua candidatura
Fernando Haddad (PT) espera apoio público de Ciro Gomes (PDT) à sua candidatura -

Rio - O candidato à Presidência Fernando Haddad (PT) disse que ainda conta com o apoio de Ciro Gomes (PDT), que ficou em terceiro lugar, com 13 milhões de votos, no primeiro turno. O pedetista está na Europa e deve voltar ao Brasil nesta sexta-feira. O PDT declarou "apoio crítico" ao petista e disse que será oposição em 2019 independentemente do resultado das eleições. 

"Até minha mulher está com ciúme do Ciro de tanto aceno que faço para ele", disse Haddad em entrevista coletiva no Recife nesta quinta-feira. "Eu chego em casa, ela: 'E eu, e eu'"?, brincou. 

Haddad disse que a obrigação de fazer o gesto para atrair Ciro é sua porque foi o candidato que chegou ao segundo turno. "Eu vou continuar fazendo aceno porque boto o Brasil acima de tudo. Não é com arrogância que nós vamos enfrentar o desafio que está posto. A gente tem que ter humildade diante da situação e tem que partir de mim, como estou no segundo turno, tem que partir de mim esse gesto."

O PT pretendia insistir com Ciro para que ele integrasse a coordenação da campanha de Haddad. Nos bastidores, o convite era tratado como um primeiro passo para o pedetista assumir um ministério em eventual governo Haddad. No entanto, Ciro embarcou com a família para o exterior na semana do segundo turno. 

Para se distanciar do PT, o presidente do PDT, Carlos Lupi, se antecipou e disse que o partido vai lançar Ciro Gomes como candidato para 2022, já após o fim do segundo turno. "Não faremos nenhuma reivindicação (junto ao PT). Será um voto claro sem participação na campanha e com a certeza de que não participaremos de nenhum governo, mesmo se Haddad ganhar a eleição. Vamos começar a construir agora 2022, já estamos decididos a lançar a candidatura de Ciro Gomes", afirmou na época.

O motivo da resistência do PDT em se aproximar da campanha de Haddad foram os "ataques" que os petistas fizeram à candidatura de Ciro Gomes, durante o processo eleitoral.

Orquestrada com aval do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o PT fez uma manobra ainda no primeiro turno que atrapalhou as negociações de apoio do PSB à candidatura de Ciro. O caso foi encarado como uma rasteira do PT no partido. Na ocasião, os petistas retiraram candidaturas em outros estados para não atrapalhar nomes do PSB que disputavam os mesmos cargos. Em troca, os socialistas se comprometeram a ficarem neutros no primeiro turno, em vez de apoiarem o presidenciável do PDT.