Paulo Guedes não participa de reunião da equipe de transição sobre situação fiscal

Tanto futuro ministro da economia, Paulo Guedes, quanto o economista Marcos Cintra, não participaram de reunião sobre situação fiscal do País. Após a reunião, secretário do Tesouro do atual governo defendeu reforma da Previdência ainda este ano, mas disse que 'se ficar para 2019, também não é o fim do mundo'

Por ESTADÃO CONTEÚDO

Paulo Guedes, chefe da equipe econômica de Bolsonaro
Paulo Guedes, chefe da equipe econômica de Bolsonaro -

Brasília - O futuro ministro da economia, Paulo Guedes, e o economista Marcos Cintra não participaram da reunião da equipe de transição sobre a situação fiscal do País, que ocorreu na tarde desta quinta-feira, no Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB), em Brasília. Guedes retornou ao Rio de Janeiro com o presidente eleito da República, Jair Bolsonaro.

Do lado do atual governo, o secretário do Tesouro, Mansueto Almeida, participou das discussões. Após a reunião com integrantes da equipe de Guedes, Mansueto disse que o novo governo é um aliado pelo ajuste fiscal. Questionado sobre um possível convite para integrar o governo eleito de Jair Bolsonaro, o secretário disse que não conversou sobre isso.

Mansueto voltou a falar do nível das despesas obrigatórias no Orçamento e defendeu a aprovação da reforma da Previdência. Questionado se mudanças menores que não dependam da aprovação de uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC) resolvem o problema, o secretário avaliou que qualquer avanço é bem-vindo, mas lembrou que qualquer proposta só terá efeito nas contas públicas em médio e longo prazo. "Aprovar alterações na Previdência ainda este ano é ótimo, mas, se ficar para 2019, também não é o fim do mundo", acrescentou.