Por thiago.antunes

Rio - Em sessão realizada nesta terça-feira, o TRE aprovou o pedido de candidatura à deputado federal do pastor Jeferson Barros pelo Psol. O diretório estadual do partido no Rio havia pedido a impugnação do religioso na semana passada, depois de ter negado legenda a ele em junho, acusando-o de não estar de acordo com os princípios do partido. A decisão foi derrubada pelo diretório nacional. Em convenção, a Executiva aprovou sua candidatura.

O caso acendeu uma polêmica no Psol. Quadros importantes como os deputados federais Chico Alencar e Jean Wyllys, além do deputado estadual Marcelo Freixo, acusaram Jeferson Barros de ser homofóbico e ter ligação com o pastor Silas Malafaia, líder da Assembleia de Deus Vitória em Cristo, além de querer fazer do partido “trampolim para a formação de outro” , anunciado no ano passado pelo deputado Domingos Brazão, do PMDB.

Durante a sustentação a favor da impugnação, o advogado do Psol Luiz Paulo de Barros Correia lembrou que Jeferson Barros fez o registro individual de sua candidatura (feito na companhia da deputada estadual Janira Rocha, que o apoiou), disse que o pastor "tentou dar um golpe" e é "homofóbico". "É a candidatura mais anti-Psol que existe", indicou.

O desembargador Edson Aguiar Vasconcelos acabou decidindo pela aprovação da candidatura. "Se o diretório nacional aprovou, não há porque a candidatura ser impugnada", indicou.

Você pode gostar