Dilma apoia criminalização da homofobia após Marina renegar causa

'Fico muito triste de ver que nós temos hoje grandes índices de violência atingindo essa população', disse a presidenta

Por tamara.coimbra

São Paulo - A presidenta Dilma Rousseff (PT) declarou ser a favor da criminalização da homofobia nesta segunda-feira, em São Paulo. Esta é a primeira vez que a presidenta se posiciona sobre a questão.

Ao final do debate com os candidatos à presidência realizado pelo SBT, Dilma foi questionada por jornalistas sobre sua opinião em relação à postura da candidata Marina Silva (PSB) sobre o casamento igualitário, que mudou em menos de 24 horas no último final de semana.

A presidenta e candidata à reeleição%2C Dilma Rousseff (PT)%2C durante o debate com os candidatos à presidênciaReprodução Internet

"Eu acho que não se deve mudar a proposta, principalmente quando se refere à direitos. Eu, pessoalmente, e como política e governante, sou contra qualquer forma de violência contra pessoas", afirmou. "No caso específico da homofobia, é uma ofensa ao Brasil. Fico muito triste de ver que nós temos hoje grandes índices de violência atingindo essa população, principalmente quando se trata de homossexuais. O que eu estou dizendo é que se deve criminalizar a homofobia. A homofobia não é algo que a gente possa conviver".

A candidata Marina Silva provocou a ira dos ativistas e simpatizantes da causa LGBT após alterar o parágrafo da sua proposta de governo em que defendia o casamento civil igualitário e a criminalização da homofobia no último sábado. A mudança, decorrente da pressão feita por religiosos, rendeu críticas da comunidade LGBT e fez com que Marina virasse piada nas redes sociais.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia