Crivella diz que Pezão roubou a Petrobras durante comício em Campos

'Vai ser uma vergonha ver este homem ser apeado do poder e a eleição ser anulada', disse candidato

Por thiago.antunes

Rio - O candidato a governador Marcelo Crivella (PRB) acusou seu adversário Luiz Fernando Pezão de fazer parte do escândalo de corrupção da Petrobras. A acusação foi feita na noite desta terça-feira, durante um comício em Campos, norte fluminense, reduto eleitoral da família Garotinho, que esteve presente em apoio à sua candidatura.

"Daqui a pouco vai sair nos jornais a mão do Pezão no escândalo da Petrobras. Vai ser uma vergonha ver este homem ser apeado do poder e a eleição ser anulada. Ele roubou a Petrobras", disse Crivella, sem meias palavras. O candidato afagou o agora aliado Anthony Garotinho, que reuniu quase 10 mil pessoas para o maior comício da campanha do Crivella.

"Foram tantas injúrias que Garotinho sofreu ao longo da campanha, que acabaram abalando sua candidatura. Mas eu peço ao povo de Campos que enxugue as lágrimas. O revés não diminui, nem desmerece Garotinho, sobretudo após este gesto de esquecer a dor, lamber as feridas e se unir a uma candidatura com apenas um pedido: derrotar Cabral", disse Crivella.

Ao lado de Garotinho%2C Crivella disse que Pezão roubou a PetrobrasDaniel Castelo Branco / Agência O Dia

Ainda magoado com a derrota no primeiro turno, Garotinho fez um discurso feroz contra o atual governo e se uniu a Crivella junto com a esposa, a prefeita Rosinha Garotinho, e a filha, Clarissa, deputada federal mais votada do estado.

O povo foi para as ruas dizer Fora Cabral porque Cabral fechou 300 escolas, prendeu bombeiros e policiais e mandou para Bangu I para ficar com bandidos do Comando Vermelho. Isso é covardia", disse Garotinho. O ex-governador disse ainda que Pezão não deveria ser impedido de disputar a reeleição porque foi, de fato, o governador no últimos oito anos, e não Sérgio Cabral.

"O cachorro do Cabral usava o helicóptero do governo do Estado que é para salvar a vida de pessoas. E onde estava o Pezão? Quando viajou para Paris para dançar na boquinha da garrafa com guardanapo na cabeça, onde estava o Pezão? O Cabral vivia viajando e esta porcaria de governo que está aí é o governo do Pezão", disse Garotinho.

No fim, o ex-governador pediu que o povo chame a polícia no dia da eleição e denuncie ao Tribunal Regional Eleitoral a compra de votos que, segundo ele, é prática corrente do PMDB de Luiz Fernando Pezão. E acusou o presidente da Assembleia Legislativa, Paulo Melo, de ser um dos responsáveis pelo crime eleitoral.

"Não estamos no Carnaval. Tirem a máscara do Pezão que vocês verão a cara do Cabral por trás. O pé dele é grande, mas é sujo. Político que compra voto é bandido. O Paulo Melo desceu de helicóptero com malas de dinheiro aqui em Campos no dia da eleição. Vamos expulsar essa gente aqui de Campos. Liguem para a polícia, liguem para o TRE. Quem compra voto, compra dignidade e cidadania", disse Garotinho.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia