Por rafael.arantes

Rio - O coordenador técnico da Confederação Brasileira de Judô (CBJ), Ney Wilson, admitiu logo após a derrota da seleção masculina na competição por equipes do Campeonato Mundial de Judô do Rio de Janeiro que o resultado deste domingo foi muito abaixo do esperado.

"Acredito que caímos em uma chave muito boa. O resultado foi realmente muito ruim, acho que eles não souberam aproveitar e não corresponderam sobre o tatame", criticou Ney após a derrota por 3 combates a 2 para a Alemanha.

"Mesmo que os que venceram, tiveram muitas dificuldades para vencer lutas que não deveriam ser tão difíceis. Perdemos em situações em que não poderíamos perder. Mas são circunstâncias da competição. Os atletas hoje não corresponderam mesmo ao que esperávamos", completou.

A derrota mais surpreendente foi a de Rafael Silva para Andreas Toelzer, adversário batido por ele nas semifinais da competição individual da categoria pesado (acima de 100kg) no sábado. Entretanto, o dirigente eximiu o judoca de culpa e criticou Bruno Mendonça, derrotado por Igor Wandtke pela categoria leve (até 73kg).

"Nem diria que pecamos na luta do 'Baby', sabíamos que seria um combate difícil. A luta que a gente não podia perder era na categoria 73 kg. Era ponto certo nosso, e ele (Bruno Mendonça) simplesmente não lutou. Não tinha que decidir no Baby", comentou Ney, que viu a parte emocional como o principal problema dos judocas brasileiros, que no individual obtiveram apenas uma medalha, justamente com Rafael, prata no sábado.
"Acho que o estado emocional da equipe estava abalado por conta do resultado individual. Eles são atletas, e as derrotas abalam muito. Por isso, tiveram um desempenho bem abaixo do esperado. É outra competição dentro do Mundial, então não dá tempo de recuperar a equipe, reequilibrar e tentar buscar o resultado, ainda que tenhamos tentado buscar essa recuperação através de palestras motivacionais durante esse pequeno tempo", declarou.

O coordenador técnico prometeu que o planejamento das equipes, principalmente a masculina, será reavaliado, mas garantiu que nada será feito de maneira desesperada.

"Precisamos avaliar novamente e replanejar tudo na equipe masculina, mas também não vejo uma grande preocupação. O resultado ficou aquém, mas também não é preciso se desesperar. Eles têm potencial para chegar a um resultado melhor", considerou.

Por fim, Ney disse que o exemplo da equipe feminina deve ser seguido, já que elas conquistaram cinco medalhas, uma de ouro, duas de prata e duas de bronze. "A equipe (masculina) precisa ficar mais 'cascuda' para um Campeonato Mundial. A meninas são assim, elas trazem nas costas Jogos Olímpicos, Mundiais, e a seleção masculina, não. Então é preciso trabalhar muito isso", destacou.

Você pode gostar