Por pedro.logato
Rio - Antes do julgamento envolvendo Portuguesa e Flamengo, no STJD, o clima na sede do tribunal, que se localiza na rua da Ajuda, no Centro do Rio de Janeiro, é de tranquilidade. No local há presença de curiosos e torcedores de Flamengo e Fluminense.
O clima entre as torcidas foi de provocação, mas sem violência. Os tricolores cantavam músicas de incentivo ao clube, enquanto os rubro-negros provocaram levando um grande tapete e com gritos de "Segunda Divisão".
Publicidade
Bastante precavido com a possibilidade de confusão, o STJD pediu policiamento reforçado na sua sede. No começo da tarde, estavam presentes cerca de 46 policiais na região: 30 do Batalhão Especial de Grandes Eventos e 16 do Grupamento Especial de Policiamento em Estádios(GEPE). Cerca de sete viaturas estão presentes. Os portões do tribunal foram fechados às 16:25.
Os policiais do GEPE foram convocados para auxiliar nas informações e na identificação de mebros das torcidas organizadas. Alguns torcedores da Portuguesa estão vindo de ônibus para o Rio de Janeiro.
Publicidade
Polêmica
O meia Heverton foi julgado na última sexta-feira pelo STJD por ter sido expulso na partida contra o Bahia, e recebeu duas partidas como punição. O advogado Oswaldo Sestário Filho, que representa a Lusa, informou que o atleta havia sido punido por apenas um jogo, cumprido diante da Ponte Preta.
Publicidade
O erro pode significar o rebaixamento da Portuguesa para a Série B do Campeonato Brasileiro, pois o regulamento de competições da CBF prevê a perda de pontos ao time que escale um jogador de maneira irregular. Neste caso, a Lusa perderia quatro pontos (um pelo empate contra o Grêmio e os outros três que estavam em jogo na partida) e entraria na zona da degola, salvando o Fluminense.
Além da Portuguesa, o Flamengo também será julgado por conta da escalação irregular.André Santos foi expulso na final da Copa do Brasil contra o Atlético-PR, deveria cumprir suspensão contra o Cruzeiro, na última rodada do Brasileiro, mas acabou indo a campo.