Pelé diz que morte na Arena Corinthians é normal e se preocupa com aeroportos

Rei analisa fatalidade durante obra do Itaquerão

Por bernardo.argento

São Paulo - A morte do operário Fabio Hamilton da Cruz em serviço na construção da Arena Corinthians, no último dia 29 de março foi algo normal. Essa é a opinião de Pelé. O maior jogador de todos os tempos disse nesta segunda-feira que acidentes acontecem, e que a realização da Copa do Mundo não está comprometida. Sua maior preocupação está na organização, em especial na situação dos aeroportos brasileiros.

Isso que aconteceu no Itaquerão é normal, são coisas da vida. Foi um acidente, coisa normal, nada que assuste (para a realização da Copa)", disse Pelé durante evento em São Paulo em que lançou uma linha de diamantes fabricados a partir dos seus fios de cabelo. Além do operário morto há 10 dias, outros dois morreram no palco de abertura da Copa em novembro de 2013 durante o trabalho.

Pelé voltou a fazer uma declaração polêmica nesta segunda-feiraReprodução Internet

Pelé acabou de voltar ao Brasil depois de uma série de visitas a países que receberam a taça da Copa do Mundo. No retorno, o ex-jogador, tricampeão do mundo com a seleção brasileira, disse estar preocupado com a imagem que os turistas vão ter do País desde a chegada aos aeroportos.

"Fui para Russia, China, Europa, e todo mundo diz que quer ver a Copa. Mas chegamos anteontem de viagem e estava o caos no aeroporto faltando dois meses para a Copa. Esta é a minha preocupação: que a gente estrague essa oportunidade. Temos a oportunidade de crescer mas as coisas não estão prontas", disse Pelé, que aposta no "jeitinho brasileiro", para que tudo ocorra bem no final. "A gente dá um jeitinho", disse.

Reportagem: Bruno Winckler

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia