TCE aponta superfaturamento de R$ 67,3 milhões e falhas na reforma do Maracanã

Obras para palco da final da Copa do Mundo de 2014 começaram em 2010

Por pedro.logato

Rio - R$ 67,3 milhões. Este seria o valor, segundo relatório de auditoria do Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro, ainda sob análise dos conselheiros do TCE-RJ, do superfaturmanto das obras do Maracanã — orçadas em R$ 705 milhões e com custo final estimado em R$ 1,2 bilhão — para a Copa do Mundo. O documento, que aponta uma série de custos acima do valor real ou sem justificativa técnica, pede o cancelamento do pagamento dos valores às construtoras Odebrecht e Andrade Gutierrez.

Obras do Maracanã foram iniciadas em 2010 e finalizadas em 2013Eduardo Cardoso / Agência O Dia

Ordena, também, a notificação de diretores de órgãos públicos responsáveis pela fiscalização e execução da reforma, como a Secretaria de Estado de Obras (Seobras), e a Empresa Municipal de Obras Públicas (Emop). Além dos pagamentos indevidos, outro problema constatado pelo relatório diz respeito a falhas na reforma do estádio, como a correção e reposição de corrimãos tubulares, adequação da instalação de grades não previstas no projeto inicial e correção de assentos instalados sem controle e resistência mínima para uso.

As divisórias para torcidas instaladas após a Copa das Confederações são exemplo de obras fora do padrão inicial no Maracanã. Elas provocam pontos de visão obstruída na arquibancada, o que não é permitido pelo caderno de encargos da Fifa. O TCE-RJ vai exigir que tais grades tenham o ângulo de visão dos torcedores melhorados em áreas contíguas às grades, eliminação de áreas não utilizáveis contíguas às grades, da interface com os guarda-corpos de vidro que acarretam condição insegura aos usuários e solução para a perda de função dos corrimãos devido à proximidade da grade, entre outros itens.

A retenção de pagamentos indevidos e de materiais incompatíveis com a obra também estão entre as exigências do TCE-RJ, que constatou muretas com rachaduras em frente ao acesso ao setor VIP e erro nas distâncias laterais entre assentos, fora do padrão, oq ue demonstra não ter havido controle na instalação das peças.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia