Maior nome da história do Real Madrid, Alfredo di Stéfano morre aos 88 anos

Ex-jogador havia sofrido uma parada cardíaca há três dias

Por victor.abreu

Di Stéfano morreu aos 88 anosDivulgação

Madri - Ex-craque do Real Madrid e presidente de honra do clube, o argentino Alfredo di Stéfano morreu nesta segunda-feira aos 88 anos, no Hospital Universitário Gregorio Marañón, na capital espanhola, três dias após sofrer uma parada cardíaca.

LEIA MAIS: Confira notícias e bastidores do Futebol Internacional

Considerado um dos maiores jogadores da história do futebol mundial, para muitos o melhor até o surgimento de Pelé, o ex-atacante permanecia internado na CTI do hospital em estado grave desde sábado.

Di Stéfano estava em coma induzido, de acordo com boletim médico divulgado hoje pela manhã. Um dos últimos a visitá-lo foi o presidente do Real Madrid, Florentino Pérez.

No sábado passado, por volta das 17h (horário local), quando saía de um restaurante em que comemorava aniversário com a família, o ex-jogador se sentiu mal, perdeu consciência e precisou ser passar por reanimação cardiopulmonar que durou cerca de 18 minutos, segundo informaram à Agência Efe, fontes do serviço de saúde madrilenho.

Em abril do ano passado, o ex-jogador havia sido internado em um hospital na cidade espanhola de Valência, para "controle de sua doença cardíaca". Em 2005, Di Stéfano sofreu um infarto agudo do miocárdio e precisou da implantação de uma ponte de safena.

O ex-atacante, que nasceu em Buenos Aires, além do Real Madrid, vestiu as camisas de River Plate, Millonarios e Espanyol, assim como das seleções argentina e espanhola. Entre 1967 e 1988 trabalhou como técnico, retornando inclusive ao Real, clube que o nomeou presidente honorário em 2000.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia