Apesar da ressaca da Copa, uma nova safra de jogadores pede passagem

Para conseguir o hexa em 2018, seleção brasileira vai apostar em renovação

Por pedro.logato

Rio - A queda foi dura, com 10 gols sofridos em apenas dois jogos, mas em menos de dois meses, a seleção brasileira precisará se recuperar para cumprir a agenda de amistosos até o fim do ano. Além disso, terá que começar a formar uma base para a disputa das Eliminatórias e da Copa América no ano que vem. Jogadores darão adeus à Seleção, como Julio Cesar, Maicon, Daniel Alves, Maxwell, Dante e Fred. No entanto, uma nova geração está chegando e, com a base de 2014, um bom time pode ser montado.

Phillipe Coutinho é uma das esperanças do Brasil para 2018Reuters

O esqueleto da defesa tem David Luiz e Marcelo em idade para continuar por mais um Mundial. Na direita, Danilo, do Porto, e Rafael, do Manchester United, podem ganhar uma oportunidade. O zagueiro Marquinhos, do PSG, chegou a ser convocado por Felipão e agora deve ser chamado com mais regularidade.

No meio-campo, Philippe Coutinho vem de uma temporada exuberante no Liverpool e tem tudo para ser o homem de criação que faltou ao time do Mundial. O jogador, que foi revelado pelo Vasco, é da mesma geração de Neymar e Oscar, com os quais venceu o Sul-Americano sub-20. Como meia do Chelsea, Coutinho ainda foi campeão do mundo na categoria. Outro que pode ganhar uma oportunidade é o volante Casemiro, do Porto, que defende e ataca como exige o meio-campo moderno.

Marquinhos foi convocado por FelipãoDivulgação

O maior problema do novo treinador da seleção brasileira, que será apresentado oficialmente na terça-feira, será o ataque. Sem Fred e Jô, a renovação não é a mesma da época de Ronaldo e Ronaldinho Gaúcho. O desinteressado Alexandre Pato, de apenas 24 anos, segue sendo a esperança. Jogadores como Alan Kardec (São Paulo), Vitinho (CSKA) e Lucas Piazon (Chelsea) ainda buscam afirmação, mas podem ser testados.

As categorias de base não são muito promissoras já que no ano passado, o Brasil nem se classificou para a Copa do Mundo sub-20. A solução para o ataque pode ser mais distante como os jovens Boschilia e Mosquito, destaques da equipe sub-17 que parou nas quartas de final do Mundial do ano passado, mas que só deverão atingir seu auge na Copa do Catar.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia