A incrível mudança de ânimo do Fla

Com Vanderlei Luxemburgo, jogadores quiseram correr

Por fabio.klotz

Rio - Já se podia imaginar que o Flamengo jogaria o clássico com mais capricho e determinação, mas o que se viu domingo superou as expectativas, ainda mais se comparando com a apatia dos jogos anteriores. E aí se constata que houve mesmo boicote a Ney Franco, um expediente condenável, mas, infelizmente, não tão raro nos clubes brasileiros. Um comportamento que acabou levando o time à lanterna e, a essa altura, deixando poucas possibilidades de recuperação para atingir uma colocação honrosa.

Alecsandro garantiu a vitória do Flamengo sobre o BotafogoErnesto Carriço

Sem querer deletar o possível comportamento equivocado de Ney Franco, não se pode exigir que todos os treinadores tenham o mesmo temperamento, até porque, em muitos casos,o paternalismo leva à acomodação. Não se pode negar que a experiência de Vanderlei, a simplicidade do esquema e até a simples substituição de Felipe por Paulo Victor foram importantes, mas o fundamental foi a dedicação dos jogadores. Com Vanderlei, eles quiseram correr. Com Ney, não. A torcida só espera que eles não mudem de ideia daqui a algum tempo.

O equilíbrio

Cáceres merece um destaque especial na vitória do Flamengo. Assim como no início da Libertadores, ele comandou com determinação e categoria o primeiro combate no meio-campo e foi, taticamente, um líder fundamental para o time. Aliás, se não tivesse se lesionado na Libertadores, talvez o Flamengo tivesse obtido um melhor resultado. Ele é titular absoluto e não merece, por exemplo, ficar disputando posição com Amaral ou, como recentemente, com Muralha.

Que lambança!

O Botafogo, no fim de mandato de Maurício Assumpção, está uma zona. Os jogadores perderam a noção e fazem protestos bizarros, desde a recusa em viajar para um amistoso até exibir a faixa sobre os salários, que só expõe o clube ao ridículo. Claro que a origem está no somatório de más administrações, mas a atual gestão se perdeu ao não contar mais com o Engenhão e não soube criar alternativas. Insinuar que o clube poderia abandonar o campeonato foi sintomático do caos.

Bom reforço

Após fase de contratações que não aprovaram, o Flu vem acertando e, depois de Henrique (e talvez Walter), deu uma dentro com Cícero. Ao lado de jogadores técnicos, como Jean e Conca, ele oferece a Cristóvão excelentes alternativas não somente com a opção de Sobis à frente, mas também na volta de Fred ou com Walter. E tem sido fundamental na subida de produção do time. O Flu conta com comissão técnica e elenco capazes de dar muitas alegrias ao torcedor.

Dunga leve

É difícil imaginar, mas Dunga parece mais leve nessa volta à Seleção. Em entrevista ao "Fantástico", mesmo sendo cauteloso, mostrou-se mais arejado, criticando exageros da Era Felipão e as preocupações pontuais dos jogadores com assuntos mundanos. Embora com a carga muito pesada de erros do passado agravados por personalidade difícil, ele pode dar a volta por cima, como aconteceu quando jogador. Apesar de seguir sob uma estrutura ultrapassada do comando da CBF.

As dificuldades de um técnico estrangeiro

Ricardo Gareca não obtém bons resultados no Palmeiras, apesar de elogios ao seu trabalho. Aparentemente, não sofre preconceito no clube e os jogadores se esforçam. Mas há um problema maior e que é comprometedor: a falta de um bom elenco. Não há time no mundo, mesmo com a melhor estrutura e comando, que se sustente sem jogadores de bom nível. Seria uma pena se ele fosse demitido porque não teve laranjas para fazer um bom suco. Só ajudaria ao conservadorismo no futebol.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia