Fla, Flu e Maracanã divulgam manifesto contra preço dos ingressos no Carioca

Clubes e consórcio criticam decisão de baratear os bilhetes para a competição após arbitral realizado na última quinta-feira na sede da FERJ e pedem futebol mais profissional

Por edsel.britto

Rio - Flamengo, Fluminense e o consórcio que administra o Maracanã divulgaram nesta quinta-feira um manifesto contra os valores dos ingressos que serão praticados no Campeonato Carioca. Clubes e os gestores do estádio alegam que a medida prejudica os programas de sócio-torcedor, além de acarretar em prejuízos para todos, visto o alto custo que é necessário para utilizar o estádio.

LEIA MAIS: Fla estuda jogar Carioca com reservas e mandar jogos fora do Maraca

A decisão de baratear os bilhetes e conceder direito à meia-entrada para todos foi tomada após arbitral realizado na última quinta-feira na sede da FERJ, onde após sugestão dada pelo presidente do Vasco, Eurico Miranda, todos os clubes concordaram execto Fla e Flu. Também é destacado que a imposição de conceder meia-entrada para todos fere a Lei Estadual que estabelece quem deve ter direito ao benefício. Ainda no manifesto, os clubes pedem para que o futebol seja tratado de maneira mais profissional.

LEIA MAIS: Campeonato Cariota terá ingresso mais barato

Além dos ingressos, o manifesto também repudia a interferência da FERJ na polêmica do lado que os torcdores de Fluminense e Vasco ocupam no Maracanã. Segundo, a intromissão vai contra o contrato já estabelcido entre o Tricolor e o Consórcio que determina o lado a ser utilizado pelo clubes nas partidas. 

Confira o manifesto na íntegra:

A Concessionária Maracanã, o Clube de Regatas do Flamengo e Fluminense Football Club juntos vêm a público reafirmar o compromisso com a transformação do futebol brasileiro.

Acreditamos no potencial do futebol brasileiro em se tornar uma atividade próspera, grandiosa e relevante para a sociedade e para a economia nacional. Para tal, é indispensável que preceitos básicos como cumprimento de contratos, liberdade, responsabilidade fiscal e financeira sejam respeitados.

Manifestamos assim publicamente nossa discordância com as recentes resoluções anunciadas este mês em relação ao Campeonato Carioca 2015:

i) Tabelamento de preços - consideramos uma violação às relações e contratos estabelecidos entre entidades privadas que têm o direito de definir os critérios de precificação dos jogos no Estádio do Maracanã, atendendo a critérios como atratividade das partidas, custos operacionais e programas estratégicos como sócio-torcedor.

ii) Meia-Entrada Universal - nenhuma deliberação ou regulamento pode obrigar nossas entidades a descumprir a lei. Dar o desconto da meia-entrada para todo o público é na verdade não aplicar o benefício obrigatório. Afirmamos nosso compromisso em atender o que é determinado pelas leis e pelo o Estatuto do Torcedor. Lembrando que as três entidades já cumprem rigorosamente a peculiar legislação estadual que determina diversos benefícios sem contrapartida ou subsídio, como gratuidade para crianças e idosos e a meia-entrada para menores de 21 anos, independentemente de serem ou não estudantes. Considerando ainda os detentores de cadeiras cativas, em todos os jogos no Estádio do Maracanã cerca de 20% do público têm acesso gratuito e 40% com benefício da meia-entrada.

iii) Localização das torcidas - esta é uma prerrogativa das relações contratuais da Concessionária Maracanã com seus dois clubes parceiros: o Clube de Regatas do Flamengo e o Fluminense Football Club, que têm por contrato o direito de terem suas torcidas em locais fixos em todos os jogos que participarem no Estádio, respectivamente o setor Norte e o setor Sul. Respeitaremos os direitos estabelecidos em contrato.

iv) Descaracterização do mandante das partidas - o regulamento do Campeonato Estadual do Rio de Janeiro vai contra o regulamento geral de competições da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), que determina a existência da figura do mandante e suas obrigações. Descaracterizar esta figura, além de violar um regulamento maior, gera insegurança jurídica e financeira a seus afiliados e estádios.

v) Imposição de prejuízo - é inconstitucional, por violação do princípio da livre iniciativa, qualquer medida pública ou privada que imponha a pessoas físicas ou jurídicas o exercício de suas atividades com prejuízo. As condições estabelecidas impõem aos clubes cariocas, grandes ou não, atuar com prejuízo financeiro. Reafirmamos nosso compromisso com a sustentabilidade financeira e tomaremos as medidas cabíveis para garantia do nosso direito à livre iniciativa.

Avançamos muito nos últimos 25 anos e não podemos ficar à mercê do retrocesso nas relações legais, econômicas e políticas entre clubes, estádios e federações. Os seus papéis, prerrogativas e responsabilidades são claras não cabendo em pleno ano de 2015 intervenções indevidas e abuso de poder.

Trabalharemos juntos, a Concessionária Maracanã, o Clube de Regatas do Flamengo e o Fluminense Football Club em defesa de nossos direitos e pelo desenvolvimento e melhoria do futebol carioca.

Assinam: Concessionária Maracanã/ Clube de Regatas do Flamengo/Fuminense Football Club

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia