Como sempre, Fla-Flu empolgante

Mesmo sem ser um primor tecnicamente, clássico pegou fogo no domingo

Por pedro.logato

Rio - Com Fla-Flu nem sempre é um primor de técnica e geralmente não precisa ser porque, com raríssimas exceções, é sensacional. Ontem, não foi diferente na vitória de 3 a 2 do Flu. O jogo que valia recuperação para os dois e afirmação dos treinadores, começou meio estranho, com dois esquemas bem diferentes. O Fla, na pressão e velocidade, e o Flu, no toque de bola do meio campo e contra-ataques. O Flu se deu bem logo, no pênalti duvidoso bem aproveitado por Fred.Depois, só domínio do Fla, mas a bola raramente chegava a Alecsandro. Em contra-ataque, o apavorado Pará antecipou-se e fez contra. Era meio injusto com o Fla e, logo depois, Alecsandro diminuiu. Um jogo elétrico e que deixou a torcida em suspense. No começo do segundo tempo, gol relâmpago de Fred em bela jogada de Gerson e logo depois, a expulsão de Giovanni. Então, o Flu recuou, o Fla, já com Cirino, pressionou sem parar e sem objetividade. Mas o talismã Eduardo da Silva entrou no fim, diminuiu na cabeçada e o Fla-Flu incendiou. A vitória, no entanto, foi do time mais objetivo.

Jogadores do Fluminense comemoram com FredUanderson Fernandes

REGULARIDADE

O Botafogo ainda tem muitos defeitos, mas se há algo para elogiar é a regularidade. Tem estilo ofensivo, quase sempre se garante na fase inicial e compensa erros técnicos com forte marcação e determinação. Sábado, contra o Vitória, poderia ter liquidado o jogo no primeiro tempo, mas as conclusões foram ruins. Depois, outra constante: caiu fisicamente na segunda etapa e correu riscos, mas poderia ter ampliado no final quando se reagrupou com a entrada de Diego Jardel.

DE ARÃO A BILL

Dois grandes contrastes no Botafogo: Willian Arão é o grande jogador do time e quase sempre a melhor figura. Domina bem, passa melhor ainda, não reclama, não faz falta e joga bonito. Uma boa surpresa e a melhor contratação do clube. O oposto é Bill, que piora a cada partida. Se esforça e perde gols incríveis. Tenta, mas erra tudo que planeja, não faz gols e a torcida perdeu a paciência. Para garantir a volta à Série A sem sustos está na hora de contratar um centroavante razoável.

CAIU NO HORTO

Já se esperava um jogo muito complicado para o Vasco no Horto, mas não que saísse no intervalo levando de três. A defesa, o ponto forte, falhou, foi envolvida pela velocidade do Atlético-MG e pelas escapadas de Patrick e Luan. Dois novos jogadores foram muito mal: Diguinho, fora de forma, e Riascos, que não viu a cor da bola. Só na fase final o Vasco respirou. Gilberto incomodou, mas o Galo estava tranquilo. Quatro jogos sem vitória no Brasileiro. Cuidado, Vasco!

FÁCIL, FÁCIL

O Barcelona ganhou a Copa do Rei com muita facilidade e não teve no Athletic Bilbao um adversário à altura. O cartão de visitas de Messi no primeiro gol foi de tirar o fôlego e ele não cansa de nos confirmar que veio de outro planeta. Que golaço! Ele fez outras belas jogadas e Neymar e Luisito completaram bem as ações ofensivas. O jogo foi praticamente liquidado na fase inicial. Pena que, depois, o Bilbao apelou para a violência reagindo mal ao talento de Messi e Neymar.

À ESPERA DE VIDA LIMPA NO MUDO DO FUTEBOL

Primeiro foi a surpresa pela velocidade das prisões e da divulgação do escândalo. Depois, a constatação de que o assalto às verbas do futebol eram bem maiores do que se poderia imaginar. E, agora que a poeira vai baixando, vem a pergunta: o que acontecerá? Como as punições são praticamente garantidas na Justiça americana, resta saber se os cartolas, mesmo eventualmente novos, vão mudar o padrão Fifa e trabalhar com ética e mecanismos de transparência. E,na CBF, nunca com Del Nero, filhote desse esquemão. Os clubes brasileiros merecem novos ares.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia