Por jessica.rocha

Brasília - A fim de pôr um fim nas polêmicas envolvendo o seu nome, Marco Polo Del Nero concedeu uma entrevista coletiva, realizada na Comissão de Esporte da Câmara dos Deputados, nesta terça-feira. Na sessão, o presidente da CBF descartou qualquer tipo de participação nos escândalos e projetou uma reforma estatutária na entidade.

"Esta reforma estatutária prevê um mandato, com possibilidade de uma reeleição. O mundo tem mudado, nós não podemos viver em um passado no qual os dirigentes ficavam mais de 40 anos no futebol", afirmou.

Questionado sobre uma suposta renúncia na CBF, Del Nero foi direto, apontou as dificuldades da presidência, mas afirmou que não existe a possibilidade de abandonar o cargo. 

Del Nero negou qualquer tipo de envolvimento no caso de corrupção da FIFAEfe

"Só renuncia quem fez alguma coisa errada na vida. Vou até o fim do mandato, cumprir minha obrigação. Fui eleito por 45 dos 47 votos. Às vezes, dá vontade de ir embora, como acontece com todos os presidentes dos clubes, mas vou ficar até o último dia de mandato", acrescentou. 

O presidente não fugiu do tema sobre o escândalo de José Maria Marin, acusado pelo FBI de participar de esquemas de corrupção na FIFA e, em sua própria defesa, ele ressaltou que não houve envolvimento algum da parte dele no caso. Del Nero aproveitou para ironizar uma suposta desconfiança no processo de escolha do Brasil como país sede na Copa do Mundo de 2014. 

"Faço questão de esclarecer que não participei de nenhum processo de escolha da Copa do Mundo, não acompanhei nada. Disseram até que houve alguma coida errada na escolha do Brasil. Mas não sei o motivo, porque foi uma candidatura única. Mas tudo está sendo investigado, estranhamente, nos Estados Unidos da América", finalizou o mandatário.



Você pode gostar