Na CPI do futebol, Nike e Adidas são acusadas de lavagem de dinheiro

Comissão recebeu jornalistas que investigam as relações das multinacionais no País. Eles as acusam de práticas ilegais

Por victor.abreu

Brasília - A CPI do Futebol, comissão parlamentar de inquérito presidida pelo senador Romário, esteve reunida na manhã desta quinta-feira com os jornalistas Luiz Carlos Azenha, Amaury Ribeiro Jr. e Leandro Cipoloni. Eles são os autores do livro "O lado sujo do futebol", lançado no ano passado e que teve o prefácio assinado por Romário.

LEIA: Dilma recebe campeões e celebra Bolsa Atleta: 'É o maior patrocínio do mundo'

Romário preside a CPI do Futebol no Senado FederalAgência Senado

Amaury Ribeiro Jr. prometeu entregar à CPI documentos sobre o que denomina "Conexão México". Eles mostram, segundo o jornalista, que empresas como a Nike e a Adidas teriam esquemas internalizados de lavagem de dinheiro no Brasil. O repórter investigativo acusa essas e outras companhias de se valerem de instrumentos legais como a Lei Geral da Copa como fachada para a prática de ilegalidades, contando com a conivência de autoridades do Banco Central.

Ele acrescenta que a Lei Geral da Copa também foi utilizada por empresas da área de comunicação para sonegar impostos.O jornalista garantiu que repassará essa documentação à CPI em outra audiência, por não dispor dos papeis comprobatórios no momento.

Azenha sugeriu à comissão que a investigação tenha entre outros alvos os intermediários dos contratos da CBF. O profissional, que trabalha para a TV Record, lembra que grandes ligas como a NBA (do basquete norte-americano) e outras jamais utilizam intermediários.

Para ele, o ex-presidente da CBF Ricardo Teixeira era o sócio oculto de empresas como a Traffic, de outras ligadas a Sandro Rosell (ex-dirigente da Nike e do Barcelona) e à ISL, todas intermediárias de contratos milionários.

"Esses intermediários servem apenas para a distribuição de propinas", disse.

Para Cipoloni, o fato de Teixeira nunca ter sido condenado em muitas das investigações as quais foi submetido só pode ser explicado pela "leniência das autoridades".

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia