Os torcedores estão confiantes nas previsões da FGV e desejam revanche contra a Alemanha. No Saara, o segurança Fernando Souza, de 29 anos, mostra empolgação com a bandeira - Foto: Daniel Castelo Branco
Os torcedores estão confiantes nas previsões da FGV e desejam revanche contra a Alemanha. No Saara, o segurança Fernando Souza, de 29 anos, mostra empolgação com a bandeiraFoto: Daniel Castelo Branco
Por WILSON AQUINO

Rio - A Taça do Mundo é nossa, matematicamente falando. Professores da Escola de Matemática Aplicada da Fundação Getúlio Vargas (FGV EMAp) desenvolveram um modelo matemático que não deixa dúvidas: a Seleção Brasileira de futebol é a favorita absoluta para conquistar o Mundial da Rússia.

Os números cravam que o escrete do técnico Tite tem 21,3% de chances de levantar o caneco. A Espanha surge na segunda colocação com 13,5% de possibilidade, à frente da atual campeã, a Alemanha, que aparece com 11,4%. França, com 9,5% e Argentina, com 8,5%, completam o ranking das cinco principais seleções candidatas ao título, de acordo com o modelo científico empregado.

A tática usada pelos professores para atingir o resultado passou pelo desenvolvimento de um algoritmo e um programa de computador para fazer as simulações, além da utilização de diversos logaritmos. "Elaboramos uma equação capaz de cruzar os resultados dos jogos de todos os 32 participantes da Copa nos últimos quatro anos, e estabelecemos o poder de defesa e o poder de ataque de cada um. Levando em consideração os adversários enfrentados por cada equipe nesse período", explicou o professor Moacyr Alvim, que analisou cerca de 4 mil jogos para atingir o coeficiente. "A quantidade de gols sofridos e gols marcados, somada aos adversários enfrentados, compõe o cálculo", disse.

Em seguida, foram feitas cerca de 1 milhão de simulações de todos os jogos da Copa. "E em 1 milhão de simulações, o Brasil é campeão em 210 mil vezes", concluiu o professor. Segundo ele, o objetivo final do projeto é usar o futebol como atrativo para os alunos aprenderem estatística e matemática. "Existe o interesse acadêmico", garantiu Alvim, admitindo, no entanto, que a ideia surgiu durante uma resenha futebolística entre ele e os professores Walter Sande e Paulo Cezar Carvalho.

Esta não foi a primeira vez que os professores usaram a fórmula para prever qual seleção seria campeã mundial. Em 2014, a matemática também apostou no título brasileiro, inclusive, com maior margem de folga (28% de probabilidade). "Aconteceu aquele jogo atípico na semifinal (Alemanha 7 a 1), e esquecemos que eram 72% de chances de não ganharmos o torneio", lembra o professor da EMAp que reconhece: "Esse ano, temos 79% de chances de não ficarmos em primeiro".

Mas, isso não é motivo de pessimismo. "Utilizamos esse mesmo cálculo em um bolão de amigos na Copa de 2014. E terminamos na segunda colocação", disse o professor Walter Sande, lembrando que os Deuses do Futebol costumam derrubar os prognósticos. "O imponderável sempre está em jogo, ainda mais no futebol. Mas a sacada é quando alguém acerta algum resultado com baixa probabilidade", afirma Sande. Por outro lado, o estudo mostra que seis seleções têm zero por cento de chances de ganhar a Copa.

Nas ruas, povo acredita em título
Publicidade
Há menos de um mês da Copa do Mundo, o clima nas ruas respalda o diagnóstico dos matemáticos da FGV. Empolgados com a equipe de Tite, os torcedores se dizem contagiados pela atmosfera de vibração que tomou os atletas, desde o anúncio do novo técnico. "Hoje conseguimos acreditar na seleção, tem mais alegria, tem mais paixão", afirma a lojista Maria José, de 60 anos.
Há, inclusive, quem arrisque um palpite de uma possível final com a Alemanha, grande algoz da seleção canarinho. "Acho que não devolvemos a goleada, mas ganhamos deles por 3 a 0. Na final, ainda por cima", cravou o paraquedista Rafael Lucas, de 23 anos.
Publicidade
Robson Penha, de 57 anos, trata a competição como uma espécie de válvula de escape da população, sobretudo a carioca. "Apesar de todos os problemas que vivemos aqui no Rio, estamos confiantes na seleção e vamos comemorar muito o título que virá com certeza", declarou.
Você pode gostar
Comentários