Das ondas no mar para os braços da galera

Empurrado pela torcida, Medina estreia bem no Mundial de Surfe. Brasileiros e Kelly Slater são os destaques do primeiro dia

Por Yuri Eiras

Gabriel Medina superou dois australianos na segunda bateria
Gabriel Medina superou dois australianos na segunda bateria -

Apesar de acostumado com as câmeras e o assédio do público, Gabriel Medina não perdeu o jeito de garoto tímido: é daqueles que ficam com as bochechas coradas e evitam a troca de olhares se está envergonhado. Isso, porém, não é um problema para o fãs. Ontem, Medina arrastou uma multidão à Praia de Itaúna, em Saquarema, onde aconteceu o primeiro dia de competições da Oi Rio Pro, etapa brasileira do Mundial de Surfe (WSL).

Atual campeão mundial, Medina mal conseguiu andar quando foi chamado ao mar. Muitos fãs, principalmente crianças, tentavam o acompanhar. "A torcida é irada. É muita gente assistindo. É legal você se sentir amado e reconhecido pelo que você faz", celebrou Medina. "Estar aqui é legal porque estou perto da família e dos amigos. Isso me motiva", acrescentou o surfista, que foi o melhor de sua bateria, disputada com dois australianos.

O mar estava a favor dos brasileiros. Antes de Medina, no feminino, Silvana Lima e Tatiana Webb avançaram. No masculino, Filipe Toledo também mostrou suas credenciais. O objetivo é superar o havaiano John John, que lidera a temporada até agora. O catarinense Yago Dora levou a melhor nota do dia (9). Até Kelly Slater, que não aparecia no Brasil há quatro anos, competiu. O norte-americano, 11 vezes campeão mundial, foi muito celebrado. "É muito legal estar de volta ao Brasil, mas é um pouco intimidante e tem muita gente. É uma loucura, mas estou me divertindo", disse Slater.

Comentários