CBF e clubes decidem abrir novo prazo para ofertas para direito internacional

Na reunião da entidade máxima com times das Séries A e B do futebol brasileiro, propostas de várias empresas foram apresentadas, mas nenhuma convenceu e não teve conclusão sobre o assunto

Por Venê Casagrande

Dirigentes dos clubes da Série A em reunião na sede da CBF, ontem: opção por paralisar jogos para conter vírus
Dirigentes dos clubes da Série A em reunião na sede da CBF, ontem: opção por paralisar jogos para conter vírus -
Rio - Em reunião nesta terça-feira, a Confederação Brasileira de Futebol (CBF) e clubes da Séries A e B debateram a possibilidade de aumentar o período das férias coletivas, e as propostas de empresas pelo direito de transmissão internacional. Porém, nenhuma oferta apresentada convenceu a todos, e um novo prazo vai ser aberto para que possam tomar uma decisão definitiva.
Nos próximos dias, uma nova reunião será marcada para que os clubes voltem a debater junto com a entidade máxima do futebol brasileiro o futuro do esporte no país. Em discurso nesta tarde, Walter Feldman, secretário-geral da CBF, voltou a pedir paciência, não estipulou datas de retorno e 'pediu' que as férias fossem ampliadas. Na opinião do dirigente, seria mais fácil recriar o calendário 2020.
"Temos que buscar, nesse momento, o máximo de humildade possível para poder entrar junto nessa crise e sair junto. Então, as decisões que puderem ser consensuais e unânimes ou, pelo menos, majoritárias, ajudam e muito para sinalizarmos para a sociedade qual é o comportamento do futebol diante da crise. Pela CBF, nenhuma possibilidade de voltarmos aquilo que é tarefa nossa, que são os campeonatos nacionais, sem a autorização das autoridades de saúde. Isso não significa que estamos parados. Como vários disseram, nós já temos também um extraordinário protocolo de retorno. Nós sabemos que, depois dessa autorização, provavelmente será parcial, não será integral com portões abertos. Mas sabemos exatamente o que fazer no dia seguinte (da liberação). Agora, para nós que estamos buscando uma sintonia num sistema, seria muito complexo qualquer retorno de campeonato. Nós poderíamos ter uma atividade isolada num determinado Estado e depois ter um período absolutamente sem possibilidade de retorno em outros campeonatos. Digo mais, porque que isso é importante para a CBF? Nós vamos ter que reconstruir o calendário. Se nós tivermos dez dias adicionais caminhando para o final do ano, nós teremos uma flexibilidade maior. Isso nos daria condições de ficarmos cada vez mais seguro da data de retorno. Então, a posição da CBF, é, se possível, ampliarem esses dez dias de férias nos ajudam muito a montar um calendário mais estável"

Comentários