Olaria enfrenta problemas financeiros - Divulgação
Olaria enfrenta problemas financeirosDivulgação
Por O Dia
Rio - O Olaria e o Bonsucesso, clubes tradicionais da cidade do Rio de Janeiro, estão enfrentando graves problemas financeiros a poucos dias do começo da Série B1 do Campeonato Carioca, programado para o próximo dia 15.

A paralisação das atividades esportivas e sociais nos clubes durante o período de quarentena, fez com que as agremiações sofressem um duro golpe nas suas fontes de arrecadação. Sem dinheiro entrando nos cofres e com dívidas antigas, agora eles sofrem com ameaças de corte de água, caso do Bonsucesso, e luz, do Olaria. Já não bastassem os problemas financeiros, ambas as equipes ainda precisam corresponder positivamente em campo para, enfim, retornarem à elite do Cariocão.
LEIA MAIS: Confira mais informações do mundo do Esporte

A Light cobra uma dívida de aproximadamente R$ 100 mil reais ao Olaria. Segundo fonte do O DIA, a empresa está cobrando os vencimentos do Alvianil desde o começo da pandemia de Covid-19, em março. Porém, o time da Rua Bariri afirma que a cobrança é indevida e alega não ter feito um consumo de energia elétrica tão alto para que a conta chegasse a este valor. Nesse imbróglio, o Olaria ainda aguarda uma negociação para restabelecer a normalidade. O clube reabriu as portas em agosto, na fase 5 da flexibilização da Prefeitura do Rio, porém suas piscinas e academia de musculação só estão sendo frequentadas durante o dia. Já a equipe profissional de futebol treina normalmente pelas manhãs. Uma boa notícia é que o campo passou por reformas e teve seu gramado recuperado. Os veteranos zagueiros Anderson e Antônio Carlos são as apostas da equipe.

Se os problemas na Luz já não fossem o bastante, o Olaria também está ameaçado por penhora na Justiça do Trabalho. Em consulta ao site do órgão, o clube apresenta 45 processos trabalhistas julgados ou em tramitação, sendo 5 destes já com garantia de bloqueio ou penhora em caso de novas receitas.

Também na Zona Norte, o Bonsucesso transformou o hall de entrada do clube em um estacionamento para tentar arrecadar algum dinheiro neste período. Segundo associados do Rubro-Anil, a água da piscina teve seu tratamento químico interrompido durante a quarentena atingindo uma coloração esverdeada. O clube também apresenta uma grande dívida com a CEDAE. De acordo com informações divulgadas pelo grupo "Por um Novo Bonsucesso" em redes sociais, o “Cesso” tem um débito de mais de R$ 224 mil com a empresa de saneamento do Estado do Rio de Janeiro e vive ameaçado por possíveis cortes e racionamento. Ao contrário do Olaria, o gramado do estádio Leônidas da Silva carece de melhores cuidados.

No meio de tantos problemas, o Olaria estreia no Carioca B1 contra o Maricá, na Rua Bariri, às 15h, dia 15. Na mesma data e horário o Bonsucesso recebe o Nova Iguaçu, no Leônidas da Silva.