Rivais no clássico entre Brasil e Argentina, Zico e Maradona se tornaram amigos na passagem pela Itália - Reprodução
Rivais no clássico entre Brasil e Argentina, Zico e Maradona se tornaram amigos na passagem pela ItáliaReprodução
Por O Dia
Rio - Sonhar não custa nada. E foi o que a diretoria do Flamengo fez em 1991. Com a camisa 10 'vaga', o Rubro-Negro, então atual campeão da Copa do Brasil, deixou o torcedor sonhar, acordado, com a possibilidade de contratar o maior ídolo do futebol argentino. Uma reportagem da revista 'Placar', com detalhes da engenharia financeira para tirar o astro do Napoli, da Itália, reforçou o plano.
Na prática, faltou dinheiro para alavancar a contratação de cifras milionárias. Com a iminente aposentadoria do Maestro Júnior, que ainda comandaria o clube na conquista do Campeonato Brasileiro de 1992, na final contra o Botafogo, o Flamengo buscava uma reposição à altura após as saídas de Renato Gaúcho e Leonardo. Com a grana curta, apostou na renovação marcada pela geração que revelou Júnior Baiano, Marcelinho Carioca, Djalminha e Paulo Nunes.
Publicidade
O Flamengo, no entanto, não foi o único clube brasileiro que se animou com o oportunidade de contratar Dom Diego. Nem mesmo os quilos a mais e o constante monitoramento das agências de doping ao craque, que enfrentou a dependência química ao longo da carreira, desmotivou o interesse de Palmeiras, São paulo e Santos.

Com o luxuoso auxílio de Pelé, o Peixe , por intermédio da 'Pelé Sports & Marketing', entrou na corrida pela contratação do craque, mas esbarrou nas altas cifras envolvidas na negociação e no caso de amor de Maradona com o Boca Juniors, da Argentina, que pagou U$ 10 milhões (cerca de R$ 53,5 milhões na cotação de hoje), em 1995.
Em decadência, Maradona enfrentava uma depressão e cumpria o fim da suspensão de 15 meses por doping. Com o apoio da Parmalat, patrocinara marcada pelas contratações milionárias, o clube paulista monitorou a recuperação do camisa 10, que optou em permanecer na Europa e fechou com o Sevilla, da Espanha. Após o fracasso nas tratativas com o Santos, a empresa de Pelé tentou colocar Maradona no Morumbi, mas a negociação com o São Paulo não teve progresso.