Adiado para 2021, os Jogos Olímpicos terão um incalculável prejuízo técnico e financeiro por conta da pandemia de covid-19 - AFP
Adiado para 2021, os Jogos Olímpicos terão um incalculável prejuízo técnico e financeiro por conta da pandemia de covid-19AFP
Por O Dia
Tóquio - A menos de seis meses para a cerimônia de abertura das Olimpíadas de Tóquio, o Japão iniciou, nesta quarta-feira, a campanha de vacinação contra o novo coronavírus. Último país do G7, grupo das nações mais industrializadas do mundo, a começar o processo de imunização, o país aprovou apenas no domingo a vacina desenvolvida pela Pfizer.
Na primeira fase da campanha de vacinação, trabalhadores da área de saúde na linha de frente no combate a covid-19 receberão a primeira dose do imunizante, totalizando 3,7 milhões de profissionais até março. Cerca de 36 milhões de pessoas, a partir 65 anos ou mais, devem ser imunizadas a partir de abril.
Publicidade
Devido à pandemia de covid-19, os Jogos Olímpicos foram adiados para 2021, mas rumores sobre novo cancelamento ainda gera preocupação não apenas aos atletas envolvidos no evento, mas, principalmente, a população japonesa, que tem se posicionado contra a realização das Olimpíadas. Pressionado, o país deve receber 144 milhões de doses de vacinas da Pfizer, 120 milhões da AstraZeneca e cerca de 50 milhões da Moderna, que ainda não pediu a aprovação, em 2021. Essa quantidade seria suficiente para imunizar toda a população japonesa, de cerca de 126 milhões de pessoas.
No entanto, é importante destacar que nos guias direcionados a atletas e jornalistas, por exemplo, o Comitê Olímpico Internacional (COI) não exige obrigatoriedade de vacina para entrar no Japão e participar do evento. A organização, porém, incentiva a imunização massiva de acordo com o calendário de prioridades de cada país.