Matheus Cunha se machucou nas quartas de finalDivulgação / CBF

Rio - O atacante Matheus Cunha, do Hertha Berlin, foi um dos jogadores convocados por André Jardine para a disputa dos Jogos Olímpicos de Tóquio. O jovem, de 22 anos, abordou a ausência do volante Gerson, vendido pelo Flamengo ao Olympique de Marselha, e do atacante Pedro, do Rubro-Negro, que foram convocados, mas acabaram não sendo liberados pelos clubes para a disputa do torneio.
"São dois jogadores que acompanhamos pela idade e por saber que podemos ser convocados juntos. Nos últimos jogos eu acompanhei e foram muito bem. São jogadores que ajudariam muito se tivessem vindo, mas sem dúvida nenhuma quem está aqui vai fazer o melhor possível para suprir as ausências. E quem for chamado também vai ser chamado com mérito e vai fazer o melhor para que a gente saia com o segundo ouro", afirmou.
O jogador foi questionado sobre o futuro e uma possível convocação para a Copa de 2022. Com os pés no chão e de olho na conquista do título olímpico, Matheus Cunha pregou humildade e cautela.
"Eu acredito que o ciclo olímpico também marca a gente, por ser um campeonato que normalmente só se joga uma vez. Então, jogar as Olimpíadas pensando em uma vaga de 2022... eu acredito que o mais importante é jogar querendo o segundo ouro brasileiro, porque vai ficar marcado nesse processo olímpico", disse.