Modelo para jovens, Ronda rejeita rótulo de estrela e não tem pressa para vencer

Campeã peso-galo, a americana se inspira em Jogos Vorazes para vencer Bethe Correia no UFC 190, no Rio

Por pedro.logato

Rio - Ronda Rousey é uma lutadora moldada pelas dificuldades da vida. Fenômeno do MMA, a musa superou o suicídio do pai, quando tinha apenas 8 anos, e se transformou num modelo para jovens e adultos que prometem entoar seu nome no UFC 190, neste sábado, contra Bethe Correia. O sucesso bateu à porta ainda no judô, com o bronze na Olimpíada de Pequim, em 2008. Mas são a prata no Mundial e o ouro no Pan-Americano, ambas conquistadas no Rio, em 2007, que são os títulos de que ela mais se gaba.

Estar na Cidade Maravilhosa é especial para Ronda. Por isso ela fez questão de que a disputa de cinturão contra Bethe fosse na Arena HSBC, na Barra da Tijuca. Local marcante para ela nas suas principais conquistas. Por isso, ser recebida com carinho pelos fãs brasileiros é algo que a emociona.

Enquanto Ronda ostentava o cinturão%2C Bethe mostrava a bandeira do BrasilCarlos Moraes

"Eu estava cautelosa, mas otimista, de que todos não viriam aqui para me vaiar. Fiquei muito surpresa e feliz com este tipo de recepção. Só tenho a agradecer ao público brasileiro", derreteu-se a americana.

Fria como um iceberg, é normal não percebê-la deslocada ou atingida por ofensas. Humilde, Ronda sempre rejeitou o rótulo de estrela ou musa. Mas sabe que nasceu para brilhar. Despista completamente sobre qualquer comparação com o falastrão Conor McGregor. Entre eles, reina apenas a amizade.

"Eu não me chamaria de estrela e nem acho que exista uma competição (com o Connor McGregor) por isso. Nós temos nos ajudado muito. O sucesso dele no octógono me deixa muito feliz e vice-versa. Então eu espero que tenha o máximo de sucesso que ele puder na carreira que eu estarei feliz por isso", decretou.

Devoradora de livros, a americana confessa que sua inspiração recente vem de Jogos Vorazes. A trilogia ganhou as telas do cinema e a história de superação da personagem Katniss Everdeen a move. "A principal mensagem que eu levo comigo é que se você vai vencer alguém, você deve fazê-lo muito bem e de forma convincente", esclareceu.

Vitória e Ronda Rousey são quase sinônimos. Invicta em 11 lutas, com nove triunfos por finalização, a campeã peso-galo está disposta a levar o braço de Bethe Correia para casa. Mas não se vê pressionada a fazer isso logo no início do combate.

"Não existe essa coisa de finalização fácil. Não vou escolher o tempo de finalizar, fazer isso de forma rápida. Se eu tentar, estarei correndo mais riscos, pulando etapas. Se eu for mais cautelosa, ir no meu tempo, será muito mais seguro para me aproximar e terei mais chance de garantir uma vitória", decretou.

UFC 190
1 de agosto, no Rio de Janeiro

CARD PRINCIPAL

Peso-galo: Ronda Rousey x Bethe Correia
Peso-meio-pesado: Mauricio Shogun x Rogério Minotouro
Final do TUF Brasil 4 peso-leve: Fernando Açougueiro x Glaico França
Final do TUF Brasil 4 peso-galo: Dileno Lopes x Reginaldo Vieira
Peso-pesado: Stefan Struve x Rodrigo Minotauro
Peso-pesado: Antônio Pezão x Soa Palelei
Peso-palha: Cláudia Gadelha x Jessica Aguilar

CARD PRELIMINAR - a partir de 20h (horário de Brasília)

Peso-meio-médio: Demian Maia x Neil Magny
Peso-meio-pesado: Rafael Feijão x Patrick Cummins
Peso-meio-médio: Warlley Alves x Nordine Taleb
Peso-galo: Iuri Marajó x Leandro Issa
Peso-médio: Vitor Miranda x Clint Hester
Peso-galo: Hugo Wolverine x Guido Cannetti

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia