Médico do Botafogo nega parada cardíaca de atacante

Jogador passou mal nesta terça-feira

Por Lance

Biro Biro
Biro Biro -
Rio - Após atendimento ao atacante do Botafogo Biro Biro, o médico Eduardo Saad, especialista no procedimento chamado de "ablação", pelo qual o jogador passou quando jogava na China, falou sobre a situação do atleta. O atacante precisou ser atendido após ter uma mal-estar na tarde desta terça-feira, durante um treino do Glorioso, no Nilton Santos. Segundo o médico, o jogador ainda precisa passar por uma série de exames.

"Ele está muito bem, acordado, estável, conversando, com pressão boa, absolutamente normal. A gente não tem certeza ainda do que ocorreu. Ele tem histórico de ter feito no ano passado tratamento de uma arritmia benigna, nenhuma arritmia que pudesse causar morte súbita para ele ou algo que se aproximasse disso. Foi liberado para jogar, tinha exames periódicos em vários clubes diferentes, na China e no Brasil", disse Saad.

Após passar mal durante a atividade no Nilton Santos, Biro Biro foi levado para o vestiário do estádio, onde precisou ser reanimado pelo médico do clube, Ricardo Bastos. Segundo Saad, sua situação piorou antes de ser encaminhado para a Clínica São Vicente, na Zona Sul do Rio de Janeiro.

"Ele teve um mal-estar durante o treino, foi retirado do campo e depois, já deitado e em observação, o mal-estar aumentou, e ele teve a perda transitória da consciência, a gente chama de síncope. Ele não estava monitorado, não estava em ambiente hospitalar, então a gente não sabe o que causou essa síncope. Ele precisa passar por série de exames para definir isso", disse Saad aos jornalistas na porta do hospital.

De acordo com o cardiologista, o que aconteceu com Biro Biro não pode ser considerado uma parada cardíaca. Mas ele confirmou que o jogador precisou ter o peito massageado.

"Não sei se usaria o termo reanimado. No momento em que a pessoa perde a consciência e não se detecta uma boa circulação, ele foi muito brevemente massageado, mas isso não implica que ele teve uma parada cardíaca por alguma arritmia maligna ou alguma coisa desse gênero. Ele foi atendido naquele momento, mas não foi isso que o fez se recuperar. Ele se recuperou espontaneamente".

Também presente na clínica, o médico Ricardo Bastos contou como foram feitos os primeiros procedimento com o atacante, ainda no Nilton Santos:

"Ele caiu no campo. Vimos o sinal vital, decidimos levá-lo para dentro do nosso departamento onde tinha uma maca. Estabilizamos o Biro Biro, o deixamos num quadro mais estável e decidimos transportá-lo para o hospital para fazer a investigação e dar mais conforto a ele".

Comentários