Barroca tenta se virar com cobertor curto

Com poucas opções em mãos, treinador está à procura de alternativas

Por O Dia

Marcinho: curinga para o ataque
Marcinho: curinga para o ataque -


O técnico Eduardo Barroca quebra a cabeça para melhorar o rendimento do time alvinegro, sobretudo no setor ofensivo, mas vem sofrendo com o cobertor curto. Na derrota por 3 a 2 para o Internacional, sábado, em Porto Alegre, ele lançou mão de duas alternativas que até então não havia utilizado: Marcinho, mais avançado, e Vinícius Tanque como centroavante.
Atuando mais à frente, Marcinho teve bom rendimento no segundo tempo, participou de um gol anulado e marcou o segundo da equipe. Tanque, que voltou ao clube após passagens apagadas por empréstimo, pouco pegou na bola, mas, como jogador de área, colaborou para aumentar um pouco a preocupação defensiva do Inter.
Barroca procura alternativas desde a saída de Erik, emprestado pelo Palmeiras ao Yokohama Marinos, do Japão, e o problema cardíaco de Biro Biro, que rescindiu o contrato sem nem mesmo estrear.
Rodrigo Pimpão que seria o titular, está se recuperando de lesão no pé direito e o técnico optou por Lucas Campos, que não correspondeu nos dois jogos em que começou como titular. Por isso, a opção agora por Marcinho. O problema é que Fernando, que entrou como lateral, fez um jogo ruim contra o Inter e comprometeu defensivamente.
Além de Pimpão, Barroca tem como opções para o ataque Victor Rangel e Igor Cássio, já testados, mas sem destaque. O próximo jogo será domingo, contra o Atlético-MG, às 16h, no Nilton Santos. 
É possível que Pimpão reúna condições físicas de voltar à equipe. Um desfalque certo será o do goleiro Gatito Fernández, convocado pela seleção do Paraguai para disputar dois amistosos, nas próximas quinta e terça-feiras, diante de Japão e Jordânia. Diego Cavalieri será o titular.

Comentários