Peruanos com imenso orgulho da seleção

O resultado não importa: o domingo já será de festa para a chef Maragarita Sayão

Por *Bárbara Mello

João Paulo (E) e a mulher, Margarita (com a camisa peruana): total união
João Paulo (E) e a mulher, Margarita (com a camisa peruana): total união -
Rio - A torcida peruana é só confiança. Mesmo admitindo a surpresa com a classificação para a final da Copa América, alguns torcedores já estão preparando a comemoração do título que não vem desde 1975. É assim na casa da família Sayão do Amaral Pinto. Metade peruana, metade brasileira, sabe bem como será o dia de hoje: reunidos na sala de casa, enfeitada em vermelho e branco e com muitas comidas e bebidas típicas.
Independentemente do resultado, o domingo vai terminar em festa. Segundo a matriarca Margarita Sayão, chef do restaurante peruano Intihuasi e mulher há 40 anos do carioca João Paulo Amaral, a maior alegria neste momento é ver o esforço de cada jogador e perceber que eles têm entrado em campo “por amor à camisa”. 
“O país espera um triunfo que traria muita satisfação a toda uma nação. Mas eu tenho uma família brasileira e também peruana, tenho a benção de estar tranquila! É claro que vou torcer pelo Peru, mas vou comemorar também pelo Brasil, pois sei que somos todos irmãos”, destaca.
O caçula da família, Mateus Cavalcante, de 11 anos, já escolheu para quem torcer. “O Peru é o time do meu coração, mas, se a seleção brasileira vencer, eu também vou ficar feliz. Meu coração é verde, amarelo, vermelho e branco”, garante ele, que não tira a camisa da seleção peruana.

*Estagiária sob supervisão de Alysson Cardinali
Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia

Comentários