Arena da Amazônia lida com problemas de acabamento e mira 100% na Copa

Após primeiro evento-teste da Fifa, na partida entre Vasco e Resende, técnico Aílton Ferraz relata complicações do estádio

Por O Dia

Amazonas - A Arena da Amazônia teve seu primeiro evento-teste para a Copa do Mundo na última semana, no jogo entre Resende e Vasco, pela Copa do Brasil, e alguns detalhes ainda separam o estádio da perfeição. O "Raio-X dos estádios" desta terça-feira mostra o ponto de vista da arena de um dos presentes no teste inaugural. O técnico Aílton Ferraz, do Resende, ainda constatou alguns problemas na área interna do estádio. Os acabamentos são os fatores que impedem o local de estar 100%. Porém, nada que tire o brilho de mais um palco do Mundial, que vai receber quatro jogos na Copa, com destaque para Inglaterra e Itália no dia 14 de junho.

"O campo em si é muito bom, bonito pra caramba! Mas ainda temos alguns problemas. Os vestiários ainda estão inacabados, em obras ainda. Alguns ainda sem ar-condicionado, soltando algumas borrachas e etc. É um estado em acabamento, nada que interferiu no jogo em si. Mas sabemos que quando terminar vai ficar show de bola", comentou Aílton.

Arena da Amazônia ainda lida com problemasDivulgação

Do lado oposto aos elogios para a parte interna, Aílton não escondeu a insatisfação com a logística de organização do evento-teste. Segundo o técnico do Resende, apenas a parte de deslocamento de sua equipe até o estádio deu certo.

"A única coisa que funcionou na logística foram os batedores, a parte policial e ônibus. Isso foi feito perfeitamente, muito bem planejado. No entanto, a própria chegada da equipe no Estado deixou a desejar. Enquanto o transporte nos buscou na descida do avião, nossas bagagens foram parar no saguão e não havia ninguém da organização para resolver isso. Eu mesmo tive de correr atrás", reclamou Aílton, que fez um apelo por maior atenção da organização.

"Esse foi o detalhe que deixou a desejar. Não tivemos ninguém nos acompanhando. Se era um jogo-teste precisávamos estar mais amparados pela organização", afirmou.

A Arena da Amazônia é mais um dos estádios que substitui uma antiga arena brasileira para a Copa. Construído no lugar do antigo Vivaldo de Lima, o estádio tem um orçamento que já supera os R$ 605 milhões e teve o custo de sua construção dividido em 25% pelo Governo Estadual do Amazonas e 75% pelo BNDES. A empreiteira Andrade Gutierrez foi a vencedora da licitação.

Arena vai receber quatro jogos na Copa do MundoDivulgação

No processo de construção, o estádio registrou quatro acidentes fatais de operários. O primeiro foi de Raimundo Nonato Lima da Costa, quando desequilibrou-se e caiu de uma altura de cinco metros. Na madrugada do dia 14 de dezembro do mesmo ano, Marcleudo de Melo Ferreira caiu de uma altura de cerca de 35 m após o rompimento de um cabo. No mesmo dia, José Antônio da Silva Nascimento faleceu devido a uma parada cardíaca. E o último caso foi do português Antônio José Pita Martins, atingido por uma peça de guindaste na manhã do dia 7 de fevereiro de 2014.

Mesmo com o primeiro jogo-teste realizado na última semana, a inauguração oficial do estádio aconteceu no dia 9 de março, numa partida entre Nacional e Remo, válida pela Copa Verde 2014.

DataHoraPartidaFase
14/0618:00Inglaterra x Itália Grupo D
18/0618:00Camarões x CroáciaGrupo A
22/0618:00Estados Unidos x PortugalGrupo G
25/0616:00Honduras x SuíçaGrupo E




Últimas de _legado_Copa do Mundo