Mais Lidas

O príncipe Willian pede passagem para conseguir vaga na equipe titular

Meia do Chelsea tem se destacado e quer ser escalado entre os 11

Por pedro.logato

Rio - Todos os jogadores que são convocados para uma Copa do Mundo querem estar na foto oficial de abertura do Mundial. No entanto, a história mostra que dificilmente os 11 titulares que iniciam o principal torneio de futebol do mundo terminam a competição. Na seleção de Felipão, um meio-campo vem mostrando nos treinos e jogos que quer um lugarzinho na foto, de preferência na final.

Willian vem sendo elogiado constantemente pelo treinador. Sua elegância e visão de jogo surpreendem a cada treinamento, chamam a atenção, principalmente porque foi um talento que saiu cedo do Brasil. Com 18 anos, ele deixou o Corinthians e foi para a longínqua Ucrânia. Depois disso, passou pela Rússia até chegar ao poderoso Chelsea. Se Neymar é o rei da Seleção, Willian é o príncipe.

Willian briga por posição de titular com OscarDivulgação

“O Willian me agradou. Sabe jogar muito bem. Jogador que será muito útil nesses sete jogos da Copa”, disse Felipão sobre o jogador de 25 anos que é fã de Ronaldinho Gaúcho.

Promovido aos titulares no Corinthians por Emerson Leão, o príncipe Willian não foge dos treinos e foi o último a deixar o gramado da Granja Comary nesta quarta. Ele ficou com Murtosa aprimorando as finalizações e lamentava cada erro cometido.

O capitão da seleção brasileira, mesmo sem citar nomes, deu força ao meia e aos demais jogadores reservas. Para ele não existe titular absoluto na equipe.

“Na Seleção é difícil apontar os onze titulares. O Kleberson subiu de produção e conseguiu a vaga. Isso mostra a personalidade do jogador. Felipão é muito correto com todos e muito aberto. Não tem nenhum titular. Todos têm condições de chegar em campo e fazer seu trabalho da melhor maneira possível”, disse Thiago Silva.

MUDANÇAS NO TIME TITULAR SÃO COMUNS

Assim como Willian quer uma vaga, em outras Copas aconteceram mudanças no time titular. A mais famosa é a entrada de Garrincha e Pelé no terceiro jogo da Copa de 1958, contra URSS.

No título de 1994, Mazinho tomou a vaga de Raí. Quatro anos mais tarde, Giovani começou entre os onze, mas logo Leonardo virou titular. Em 2002, Kleberson ajeitou o time ao entrar no lugar de Juninho Paulista.

Na equipe de 2006, Juninho Pernambucano ganhou a vaga de Adriano contra a França, mas o Brasil perdeu. Na Copa da África do Sul, Daniel Alves começou na reserva, mas jogou todos os jogos.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia