Por pedro.logato

Rio - O corte durante os treinos para a Copa do Mundo foi superado. No lugar da tristeza, orgulho. Recuperado de lesão na panturrilha direita, Valencia se emociona com a histórica campanha da Colômbia na competição. Mas não se surpreende com o elogiado futebol que credenciou a equipe à inédita disputa de quartas de final contra o anfitrião Brasil. Há sete anos no país, o volante do Fluminense conhece bem o adversário de amanhã e vê seus compatriotas em igualdade de condições na busca pela sonhada vaga na semifinal do Mundial.

“Todos acreditam que dá para chegar longe nesta Copa do Mundo. Todos trabalham passo a passo, fase por fase. Agora, o desafio é o mais difícil que a Colômbia poderia ter que é o Brasil. Joga em casa, com a força da torcida e tem um dos melhores times do mundo. Mas a seleção está arrumada e temos uma geração muito forte. A confiança de todos é grande”, disse.

Valencia foi cortado antes da Copa do MundoReuters

De volta aos treinos do Fluminense, Valencia foi um dos quatro jogadores que o técnico argentino José Pekerman não pôde contar no Brasil, assim como Aldo Ramírez, Perea e o ídolo Falcao Garcia, todos machucados. O temido prejuízo técnico e emocional não se confirmou. Ainda mais unida, a Colômbia viu James Rodríguez estourar.

“Quem acompanha o dia a dia do James sabe do talento que ele tem. Seu desempenho não nos surpreende. Ele é diferente. Não à toa é o nosso camisa 10. James tem talento acima da média. Já jogou muito bem na Argentina, em Portugal e agora na França”, elogiou Valencia.

‘Está tudo nivelado’

Valencia exalta James Rodríguez, mas pede A Colômbia unida para vencer o Brasil.

O DIA: O rótulo de sensação que a Colômbia ganhou na Copa causa surpresa?

VALENCIA: Quem acompanhou a Colômbia, nas Eliminatórias do Mundial, já via que a equipe era forte e tinha como chegar longe. Não é por acaso que venceu todos os jogos que fez, mesmo com desfalques. Mas Brasil, Argentina e Uruguai são sempre seleções fortes.

O DIA: A teoria de que a camisa de seleções campeãs pesam numa decisão existe ou o futebol está equilibrado?

VALENCIA: Sempre é difícil enfrentar adversários como Brasil, Argentina, França... Em qualquer momento, pela camisa e qualidade. Nosso grupo é muito forte. Por isso, tem feito grandes partidas. Hoje, o futebol está nivelado.

James Rodríguez foi elogiado por ValenciaReuters

O DIA: James Rodríguez pode desequilibrar contra o Brasil?

VALENCIA: Ele pode fazer a diferença. É um grande jogador, mas para ganhar do Brasil não basta só ele. Toda Colômbia tem de jogar bem, com união e humildade, além do talento individual que pode ser o diferencial.

LEIA MAIS: Notícias e bastidores da Copa do Mundo

Grupo quer ‘reforço’ no Ceará

Conhecido no Fluminense pelo bom humor, Valencia fez a alegria de Ospina, Zúñiga, James Rodríguez e companhia durante a passagem da Colômbia pelo Rio. O grupo pediu que ele repita a dose e se junte à delegação, amanhã, em Fortaleza. Valencia negocia a liberação com a diretoria do Fluminense para prestigiar de perto a seleção de seu país.

Assim como Falcao García, o meia não conseguiu ficar longe dos companheiros de seleção. Antes de se reapresentar ao Monaco, o atacante estava no Brasil. Já Valencia seguiu no ônibus do delegação para o Maracanã e viu a histórica vitória sobre o Uruguai.

Você pode gostar