Mais Lidas

Ataque tira o sono dos argentinos antes da Holanda

Com pior desempenho ofensivo das semifinais, equipe não terá Di María

Por pedro.logato

Minas Gerais - Se a defesa, tão criticada na primeira fase, achou o equilíbrio no mata-mata e não sofreu gol contra Suíça e Bélgica, o ataque passou a ser uma dor de cabeça na Argentina. Sem Di María, um dos pilares da equipe, Messi corre o risco de ficar ainda mais sobrecarregado na armação das jogadas na semifinal contra a Holanda, amanhã, em São Paulo. O que pode ser um problema na seleção com o pior desempenho ofensivo entre os semifinalistas.

Apesar de ser a terceira equipe que mais finalizou na Copa, atrás de Bélgica e França, a Argentina tem deixado a desejar no aproveitamento. Dos 87 chutes em cinco jogos, os hermanos só marcaram oito gols, pior desempenho entre as quatro equipes que lutam pelo título: Brasil e Alemanha fizeram 10 gols, a Holanda, 12.

Messi é o artilheiro da Argentina na Copa com quatro golsEfe

Messi foi responsável pela metade dos gols argentinos, com os outros dois jogadores ofensivos, Di Maria e Higuaín, marcando um cada. O lateral Rojo foi o único defensor a balançar a rede, enquanto a Bósnia contribuiu com um gol contra.

LEIA MAIS: A tabela e a classificação da Copa do Mundo

Sem Di María, com estiramento na coxa direita e que tentará se recuperar para uma eventual final, a Argentina deve manter Enzo Pérez, que entrou no lugar do camisa 7 contra a Bélgica e teve boa atuação. Agüero também deve ser opção no banco.

Além de olhar para o desempenho ofensivo, a Argentina também mostra preocupação com a experiência holandesa. Enquanto os argentinos voltam à semifinal após 24 anos, a Holanda chegou à final em 2010 e quer apagar a dor do vice para a Espanha na África do Sul.

“Esperamos que seja ainda mais difícil que a Bélgica, não apenas pela qualidade individual, mas pela experiência. Sabem o que é uma semifinal. É uma equipe com grandes individualidades e muito experiente, que chegou à final do Mundial passado e tem fome. Deve ter sangue nos olhos pelo que aconteceu em 2010”, disse Mascherano.

Rezar pelos hermanos, não!

O Papa Francisco revelou o teor de uma conversa inusitada com um brasileiro, alto funcionário do Vaticano. A preocupação com uma possível ajuda divina para a Argentina nesta Copa fez com que o Pontífice ouvisse o pedido de neutralidade nos jogos, para que o Brasil possa ser campeão em casa.

“Ele me pediu somente uma palavra: neutralidade. E explicou: ‘Porque a Copa é nossa’. Eu perguntei por que dizia isso a mim e ele disse que o San Lorenzo estava em baixa, eu rezei e ele foi campeão (em 2013). Então pediu para eu não rezar pela Argentina”, revelou Francisco, em entrevista coletiva.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia