Conhece a Copa do Bumbum? Músicos mostram ao mundo a paixão nacional

Artistas tiveram a ideia de exaltar a beleza das mulheres brasileiras

Por O Dia

Copa do Bumbum mostra a paixão nacional do Brasil
Copa do Bumbum mostra a paixão nacional do Brasil -

Rio - Em 2014, os alemães levaram a melhor, em uma goleada acachapante por 7 a 1, colocando em estado de hibernação o nosso sonho pelo Hexa. Quatro anos se passaram, e agora na Copa do Mundo 2018 na Rússia, todas as expectativas se reacendem, apesar de uma estréia fraca contra a Suíça e uma vitória sofrida contra a seleção da Costa Rica, nos últimos minutos de jogo.

Galeria de Fotos

Copa do Bumbum mostra a paixão nacional do Brasil MF Press Global
Copa do Bumbum mostra a paixão nacional do Brasil MF Press Global
Copa do Bumbum mostra a paixão nacional do Brasil MF Press Global
Copa do Bumbum mostra a paixão nacional do Brasil MF Press Global
Copa do Bumbum mostra a paixão nacional do Brasil MF Press Global
Copa do Bumbum mostra a paixão nacional do Brasil MF Press Global
Copa do Bumbum mostra a paixão nacional do Brasil MF Press Global

O brasileiro pode ainda estar amedrontado com a assombração da Copa anterior, e talvez com um desempenho abaixo do esperado na Copa atual, com sua principal estrela, Neymar, sofrendo duras críticas por seu desempenho e por suas constantes quedas em campo. Mas, para levantar a moral dos brasileiros, os músicos Léo Santana e MC WM resolveram usar a sua arte para desafiar o mundo inteiro em uma Copa diferente: a Copa do Bumbum.

Os irreverentes músicos tiveram a ideia de exaltar algo que, de longa data, sabe-se que o Brasil é campeão: a beleza de nossas mulheres. Assim, elevando o bumbum ao status de “orgulho nacional”, surgiu a Copa do Bumbum: uma música que mistura o axé baiano com o funk da periferia de São Paulo, para lavar a alma do brasileiro e mostrar que em matéria de bumbum, somos os campeões mundiais. Invictos.

A coreógrafa Tainá Grando, dançarina central do clipe e responsável pelo balé, conta que esteve presente no fatídico dia do 7 a 1, e que acha uma ótima ideia abstrair o vexame e focar em valorizar as coisas boas em que somos imbatíveis: “Naquele 8 de julho de 2014 eu estava com as minhas amigas no Mineirão e presenciamos a goleada ao vivo. Foi triste. Eu lembro que quando estava 5 a 0, a gente foi embora no meio do jogo. Não quero nem lembrar disso (risos). Vamos lembrar de coisas boas, tipo o jogo do Brasil x Costa Rica que foi sofrido, mas no final deu tudo certo. Graças a Deus! 2 a0", comenta Tainá.

Quando aquele seu amigo gringo vier falando do vexatório 7 a 1, você já pode usar como argumento que a paixão nacional do brasileiro vai muito bem obrigado, segue campeã mundial e invicta.